Paulinho: queda da Selic precisa ser mais rápida

"Os trabalhadores têm pressa e pleiteiam medidas para o crescimento mais rápido da economia. Uma delas é uma redução significativa da taxa Selic, que, apesar da queda, ainda continua em patamares proibitivos, encarece o crédito para investimentos e para a produção e reduz o consumo das famílias. A consequência mais nefasta é o aumento do desemprego", diz em nota o presidente da Força Sindical, deputado Paulinho da Força

Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD)
Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD) (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - "Os trabalhadores têm pressa e pleiteiam medidas para o crescimento mais rápido da economia. Uma delas é uma redução significativa da taxa Selic, que, apesar da queda, ainda continua em patamares proibitivos, encarece o crédito para investimentos e para a produção e reduz o consumo das famílias. A consequência mais nefasta é o aumento do desemprego", diz em nota o presidente da Força Sindical, o deputado Paulinho da Força

Ele diz ainda que o Copom (Comitê de Política Monetária) "precisa deixar o conservadorismo de lado, ousar e levar os juros a patamares que facilitem a retomada do crescimento econômico". "Defendemos também e a implementação de outras políticas que priorizem a retomada do investimento, o crescimento da economia, a geração de empregos, a redução da desigualdade social, o combate à pobreza e a distribuição de renda", diz Paulinho.

Ele acredita que ainda existe espaço para reduzir mais os juros. "A crise econômica dos últimos anos devastou a vida dos mais pobres e produziu 13 milhões de desempregados. É preciso dar um basta nesta situação". A Força Sindical e as demais centrais sindicais, junto com representantes da Fiesp, se reunirão Michel Temer em Brasília no próximo dia 12 para pedir maior redução da Selic.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247