Paulo Guedes é um imenso depósito de coisa alguma, diz Fernando Brito

Seu projeto econômico não consegue ser objetivo nem mesmo naquilo que apresenta como única medida para a economia: a venda de patrimônio. A saída de capital externo no mercado de ações, que disparou a partir de julho, continua acontecendo e tende a seguir assim, em razão das posições de “vendido” dos investidores estrangeiros, aponta o editor do Tijolaço

O ministro da Economia, Paulo Guedes
O ministro da Economia, Paulo Guedes (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, editor do Tijolaço – Comentou-se aqui que Jair Bolsonaro “miniaturizou” os dois superministros que, todos acreditavam, seriam os pilares de seu governo. Fez isso também com as Forças Armadas, mas é assunto para outro texto.

De Moro, tem ficado evidente, com as sucessivas investidas do presidente sobre sua área, situação agora provisoriamente em trégua, pois o ministro concordou em colocar “sob cabresto” a Polícia Federal, virtualmente impedida de investigar qualquer coisa que desagrade o clã presidencial.

Mas só agora começa a ficar evidente que Paulo Guedes, o ex-“Posto Ipiranga”, onde se encontrariam todas as respostas para as agruras econômicas do país é, de fato, um imenso depósito de coisa alguma.

Perdeu o ponto-chave de sua reforma da Previdência, que era o sistema de capitalização, capaz de formar, em mãos privadas, um imenso fundo de recursos para financiar o mercado, como sempre acontece quando é criado um mecanismo com atribuições previdenciárias. É simples: nos primeiros anos, a entrada de recursos é alta e a saída baixíssima, por se tratar de “contas novas”, cujas obrigações levam tempo para avolumarem-se.

Seu delírio de que a volta da CPMF seria capaz de permitir a desoneração de recolhimentos da Previdência nas folhas de pagamento é absolutamente frágil, como demonstra o ex-secretário da receita, Everardo Maciel, em entrevista ao Valor: para isso a alíquota teria de ser altíssima, o peso sentido por muitos e o alívio, nem tão grande, por poucos.

Na Folha, Guedes confessa que ainda está aferrado à ideia, ainda que, formalmente, diga que está sepultada:

“Evidentemente, quando as pessoas falam de CPMF, o presidente fala que não. Porque realmente não é CPMF que a gente quer, é um imposto sobre transações diferente desse. Mas, para que não haja mal entendido, morreu em combate o nosso valente Cintra”, afirmou.

O Ministério da Economia não tem liderança sobre nada do que se discute em matéria de reforma tributária e, portanto, passa a correr o risco de que saia do Congresso um “depenamento” de suas receitas já em crise.

Seu projeto econômico não consegue ser objetivo nem mesmo naquilo que apresenta como única medida para a economia: a venda de patrimônio. A saída de capital externo no mercado de ações, que disparou a partir de julho, continua acontecendo e tende a seguir assim, em razão das posições de “vendido” dos investidores estrangeiros.

Os grupos econômicos e financeiros já não contam com qualquer recuperação digna deste nome para a economia, tanto é que vêm caindo sucessivamente as previsões de crescimento do PIB no ano que vem.

De tal modo o carro vem rateando que não demora a haver possibilidade de que Jair Bolsonaro acabe por ter vontade de abastecer em outro posto que lhe prometa mais quilômetros de vantagem.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247