Petrobras sinaliza que não irá mudar preço de combustível em função dos ataques de drones

A Petrobras decidiu não acompanhar o movimento diário das cotações internacionais do barril de petróleo no primeiro dia após os ataques de drones às instalações sauditas. A política de preços da companhia, no entanto, prevê acompanhar as cotações internacionais, com base em um conceito conhecido como paridade de importação

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Petrobras decidiu não acompanhar o movimento diário das cotações internacionais do barril de petróleo no primeiro dia após os ataques de drones às instalações sauditas. A política de preços da companhia, no entanto, prevê acompanhar as cotações internacionais, com base em um conceito conhecido como paridade de importação.

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca que "embora não haja prazos mínimos entre reajustes, a estatal vem fazendo ajustes em períodos mais estendidos do que durante o governo Michel Temer, quando as mudanças chegaram a ser diárias. Essa política gerou insatisfações que culminaram com a greve dos caminhoneiros, em maio de 2018."

A matéria ainda sublinha que "O último reajuste no preço da gasolina foi anunciado no dia 5 de setembro. Já o preço do diesel subiu duas vezes este mês: no dia 5 e na sexta (13). Para analistas, a crise atual é um teste para a autonomia da Petrobras em alterar os preços dos combustíveis, já questionada em outros momentos —em abril, o presidente Jair Bolsonaro determinou suspensão de aumento do óleo diesel alegando risco de greve dos caminhoneiros."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247