Petroleiros se mobilizam contra a política de preço da Petrobras

Segundo o coordenador dos petroleiros em SP, Gustavo Marsaioli, a ideia é lutar contra as privatizações e a atual política de preços da estatal; Nós, enquanto país, temos o pré-sal, que corresponde a 50% do abastecimento nacional, o que os caminhoneiros não sabem. A gente quer saber por que a variação do dólar tem que afetar no preço do combustível"

Segundo o coordenador dos petroleiros em SP, Gustavo Marsaioli, a ideia é lutar contra as privatizações e a atual política de preços da estatal; Nós, enquanto país, temos o pré-sal, que corresponde a 50% do abastecimento nacional, o que os caminhoneiros não sabem. A gente quer saber por que a variação do dólar tem que afetar no preço do combustível"
Segundo o coordenador dos petroleiros em SP, Gustavo Marsaioli, a ideia é lutar contra as privatizações e a atual política de preços da estatal; Nós, enquanto país, temos o pré-sal, que corresponde a 50% do abastecimento nacional, o que os caminhoneiros não sabem. A gente quer saber por que a variação do dólar tem que afetar no preço do combustível" (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Rede Brasil Atual - Como parte do calendário de atividades rumo a uma greve geral da categoria, o Sindicato Unificado dos Petroleiros de São Paulo (Sindipetro-SP) iniciou mobilizações nas unidades da Petrobras. De acordo com o coordenador regional da entidade, Gustavo Marsaioli, a ideia é defender a soberania nacional e lutar contra as privatizações e a atual política de preços da estatal.

Ainda segundo Marsaioli, é preciso aproveitar o contexto atual com a paralisação dos caminhoneirospara chamar a atenção sobre o assunto. "O movimento dos caminhoneiros é fragmentado, com empresas, autônomos e associações. Eles estão tratando do preço do diesel, que tem impacto em tudo. Os petroleiros e outros sindicatos discutem a política de preço de combustível e a soberania do país. Nós, enquanto país, temos o pré-sal, que corresponde a 50% do abastecimento nacional, o que os caminhoneiros não sabem. A gente quer saber por que a variação do dólar tem que afetar no preço do combustível", explica, em entrevista à jornalista Marilu Cabañas, na Rádio Brasil Atual.

O coordenador regional do Sindipetro-SP conta que há quatro terminais mobilizados nesta sexta-feira (25), além das ações em Guararema, interior de São Paulo. "Estão acontecendo também em Barueri, São Caetano e Guarulhos. Esse calendário faz parte da greve nacional, aprovada em assembleia. A nossa greve tem como pauta a política de preços da Petrobras e as privatizações das refinarias que estão sendo vendidas pelo Pedro Parente", explica.

Atos de resistência em defesa da Petrobras e do pré-sal acontecem também no dia 7 de junho, data em que será realizada a quarta rodada de leilão de campos do pré-sal. O sindicalista alerta que o setor é complexo para uma paralisação geral, por isso as mobilizações anteriores são necessárias. "Há um calendário diferente. Para você parar uma refinaria é um processo difícil e perigoso, pois é preciso ter o controle de produção. Agora, vamos mover uma grande discussão para adiantar esse calendário por causa do atual cenário", relata.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247