Pré-sal está sendo vendido a preço de banana, aponta estudo da Câmara

Depois de um especialista independente afirmar no fim de semana que o pré-sal brasileiro está sendo vendido a preço de banana, foi a vez de um estudo da Câmara dos Deputados chegar à mesma constatação; o relatório, elaborado pela consultoria da Casa, mostra que Michel Temer e Pedro Parente estão provento uma verdadeira liquidação: as condições econômicas dos dois leilões que serão realizados na sexta-feira (27) são desfavoráveis ao governo federal, do ponto de vista da arrecadação; entre outras coisas, os consultores afirmam que "são muito baixos" os bônus de assinatura e os percentuais mínimos de petróleo que devem ser entregues ao governo pelos vencedores das licitações

Depois de um especialista independente afirmar no fim de semana que o pré-sal brasileiro está sendo vendido a preço de banana, foi a vez de um estudo da Câmara dos Deputados chegar à mesma constatação; o relatório, elaborado pela consultoria da Casa, mostra que Michel Temer e Pedro Parente estão provento uma verdadeira liquidação: as condições econômicas dos dois leilões que serão realizados na sexta-feira (27) são desfavoráveis ao governo federal, do ponto de vista da arrecadação; entre outras coisas, os consultores afirmam que "são muito baixos" os bônus de assinatura e os percentuais mínimos de petróleo que devem ser entregues ao governo pelos vencedores das licitações
Depois de um especialista independente afirmar no fim de semana que o pré-sal brasileiro está sendo vendido a preço de banana, foi a vez de um estudo da Câmara dos Deputados chegar à mesma constatação; o relatório, elaborado pela consultoria da Casa, mostra que Michel Temer e Pedro Parente estão provento uma verdadeira liquidação: as condições econômicas dos dois leilões que serão realizados na sexta-feira (27) são desfavoráveis ao governo federal, do ponto de vista da arrecadação; entre outras coisas, os consultores afirmam que "são muito baixos" os bônus de assinatura e os percentuais mínimos de petróleo que devem ser entregues ao governo pelos vencedores das licitações (Foto: Felipe L. Goncalves)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Estudo elaborado pela consultoria da Câmara dos Deputados aponta que as condições econômicas dos dois leilões do pré-sal que serão realizados na sexta-feira (27) são desfavoráveis à arrecadação federal.

Nos dois leilões, a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis) vai oferecer oito áreas com potencial de reservas no pré-sal. Se vender todas, o governo arrecadará R$ 7,75 bilhões.

Os consultores lembram ainda que na área de Libra, a primeira do pré-sal vendida sob o regime de partilha, o consórcio vencedor do leilão pagará 41,65% do óleo-lucro para a União, o percentual mínimo previsto no leilão.

Eles questionam também os bônus de assinatura estabelecidos para as áreas. O maior deles, para Peroba, é de R$ 3 bilhões. Em Libra, foram R$ 15 bilhões.

"Com essa configuração, a alegada expansão dos investimentos no setor, especialmente por parte de empresas estrangeiras, interessa aos contratados, mas pode não trazer benefícios relevantes para a economia brasileira."

As informações são de reportagem de Nicola Pamplona na Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247