Presidente da Anfavea rebate Bolsonaro sobre saída da Ford: 'não queremos incentivos, queremos competitividade'

O presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes, rebateu Jair Bolsonaro, que disse, ao comentar a decisão da Ford de encerrar a produção de veículos no Brasil, que faltou a empresa dizer a "verdade" sobre o motivo da saída

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, nesta quarta-feira, 13, rebateu Jair Bolsonaro, que disse, ao comentar a decisão da Ford de encerrar a produção de veículos no Brasil, que faltou a empresa dizer a "verdade" sobre o motivo da saída. De acordo com Bolsonaro, a Ford queria subsídios do governo para continuar no país.

Segundo o presidente da Anfavea, o setor não busca mais incentivos fiscais e a cobrança é para que o governo melhore a competitividade do Brasil.

"Todas as propostas trazidas pela Anfavea, pelos executivos de montadoras foram propostas concretas buscando a redução do Custo Brasil", disse Moraes. "Nós não queremos incentivos, nós queremos competitividade."

Entretanto, os subsídios da União ao setor automotivo saltaram de R$ 1,8 bilhão, em 2003, para R$ 6,7 bilhões, em 2019, segundo dados do Ministério da Economia. Isso significa, em valores atualizados pela inflação, uma alta de 272,2%

A Anfavea ainda afirmou que a saída da Ford do País "corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o Custo Brasil."

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247