CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Economia

Presidente do Banco Central vai ao Senado explicar taxa de juros e governo prepara ofensiva

O governo Lula passará a pressionar mais o Congresso para que fiscalize o Banco Central de acordo com os critérios que determina a lei que garante sua autonomia

Alexandre Padilha e Roberto Campos Neto (Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil | Pedro França/Agência Senado)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Ministro das Relações Institucionais do governo Lula (PT), Alexandre Padilha (PT) afirmou nesta quarta-feira (29) que, segundo o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, comparecerá a uma reunião da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) da Casa para explicar o patamar da taxa de juros brasileira, atualmente em 13,75% ao ano.

Padilha também contou que, ainda segundo Pacheco, o Senado prepara a realização de um seminário para ampliar o debate sobre a taxa Selic, o que deve ocorrer após o feriado de Páscoa. O seminário, de acordo com o ministro, terá a participação de “empresários, governo - ministra Tebet, ministro Fernando Haddad - do presidente do BC e de especialistas”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

>>> Inimigo da retomada econômica do Brasil, Banco Central diz que não descarta elevar os juros novamente

“Tem um sentimento de lideranças políticas, de empresários, de economistas, de que o Brasil vive uma taxa de juros que é desproporcional quando a gente compara com outros países”, afirmou.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Padilha também relatou que o governo vai pressionar mais o Congresso Nacional a fiscalizar o Banco Central e seus objetivos definidos por lei: fomento ao pleno emprego, suavizar as flutuações de atividade econômica, garantia da estabilidade econômica e a efetividade do sistema financeiro.

“O Congresso tem o papel ativo no acompanhamento da lei que o próprio Congresso aprovou e que garante a autonomia do BC. Que o Congresso tenha uma postura cada vez mais ativa de acompanhar se esses objetivos estão sendo cumpridos ou não. Acho que esse vai ser o centro do debate, na minha opinião. Estamos orientando os líderes de governo, discutindo também com os líderes de oposição que o centro do debate do seminário no plenário do Senado seja exatamente esse: estão sendo cumpridos ou não esses objetivos que estão na lei que garante a autonomia do Banco Central?”.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Lula e seus aliados têm sido fortes críticos à atual taxa de juros estabelecida pelo Banco Central, que trava a retomada do crescimento econômico brasileiro e só favorece o mercado financeiro e rentistas.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Carregando os comentários...
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO