Presidente do Santander defende que funcionário em home office abdique de parte do salário

O presidente do Santander, Sergio Rial, defende que a melhor maneira de implantar um modelo de home office para seus funcionários é a “abdicação voluntária” de benefícios e parte de seus salários, por meio do “diálogo” entre a empresa e os trabalhadores

Sérgio Rial, presidente do Santander
Sérgio Rial, presidente do Santander (Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do Santander, Sergio Rial, defende que a melhor maneira de implantar um modelo de home office para seus funcionários é a “abdicação voluntária” de benefícios e parte de seus salários. Com informações da Folha de S. Paulo.

Em entrevista promovida pelo banco, Rial disse que “se tudo isso te poupa tempo, você deixa de gastar com combustível, tua vida fica mais fácil até sob o ponto de vista econômico, por que não dividir algumas coisas dessas com a empresa? Por que não pode ser um voluntário com a abdicação de algum benefício, de algum salário? Desde que seja voluntário”.

Segundo ele seria preciso uma “construção em conjunto”, por meio do “diálogo” entre a direção e funcionários.

“O Santander esclarece que, embora o sistema de home office a ser adotado pela organização esteja em definição, a hipótese de reduções na remuneração dos funcionários está absolutamente fora de questão neste contexto", ressaltou a assessoria de imprensa da empresa.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247