Presidido por bolsonarista, Instituto Aço Brasil diz que recebeu com “perplexidade” retaliação de Trump

Presidida por Sergio Leite de Andrade, entidade que agrega produtores de aço confirmou que houve retaliação e que decisão deve prejudicar "a própria indústria produtora de aço americana, que necessita dos semiacabados exportados pelo Brasil para poder operar as suas usinas"

(Foto: Twitter/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Instituto Aço Brasil, presidido pelo bolsonarista Sérgio Leite de Andrade, divulgou nota nesta segunda-feira (2) dizendo que “recebe com perplexidade" a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de restaurar as tarifas de importação de aço e alumínio provenientes do Brasil e da Argentina”.

"O Instituto Aço Brasil reforça que o câmbio no País é livre, não havendo por parte do governo qualquer iniciativa no sentido de desvalorizar artificialmente o Real e a decisão de taxar o aço brasileiro como forma de “compensar” o agricultor americano é uma retaliação ao Brasil, que não condiz com as relações de parceria entre os dois países", diz o instituto em nota. 

Sérgio Leite de Andrade e outros empresários que, juntos, representam 32% do PIB do Brasil, divulgaram um manifesto de apoio a Jair Bolsonaro antes do segundo turno das eleições em 2018.

Leia a nota na íntegra

O Instituto Aço Brasil recebe com perplexidade a decisão anunciada hoje (02) pelo presidente dos EUA, Donald Trump, de restaurar as tarifas de importação de aço e alumínio provenientes do Brasil e da Argentina, sob o argumento de que estes países têm liderado uma desvalorização maciça de suas moedas, e que isso não é bom para os agricultores dos EUA.

O Instituto Aço Brasil reforça que o câmbio no País é livre, não havendo por parte do governo qualquer iniciativa no sentido de desvalorizar artificialmente o Real e a decisão de taxar o aço brasileiro como forma de “compensar” o agricultor americano é uma retaliação ao Brasil, que não condiz com as relações de parceria entre os dois países. Por último, tal decisão acaba por prejudicar a própria indústria produtora de aço americana, que necessita dos semiacabados exportados pelo Brasil para poder operar as suas usinas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247