Primos podem jogar água no chope da Schincariol

Jos Augusto e Gilberto, scios minoritrios, teriam a preferncia para comprar a cervejaria da famlia; Adriano, Alexandre e Kirin podem ter que enfrentar a Justia

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247_A venda da brasileira Schincariol para a japonesa Kirin pode ir parar na Justiça. José Augusto e Gilberto, primos dos titulares Alexandre e Adriano, são sócios minoritários na cervejaria, com 49,55% de participação. Nessa negociação do controle com os japoneses, que pagaram R$ 3,95 bilhões pelas marcas populares e premium e por 13 fábricas no País, Alexandre e Adriano excluíram a parte de seus primos. A Kirin ficará com os 50,45% que pertenciam a Alexandre e Adriano. O problema é que José Augusto e Gilberto afirmam que teriam a preferência para comprar a cervejaria fundada em 1939 em Itu, cidade do interior de São Paulo, que fatura R$ 6 bilhões ao ano. Eles contrataram o escritório de advocacia Teixeira, Martins & Advogados, de Roberto Teixeira, que é próximo do ex-presidente Lula. E podem jogar água no chope da venda da Schin.

Nos próximos dias, a disputa entre os primos Schincariol pode se intensificar. Essa briga não parece ser de fácil resolução e pode se arrastar por meses. A Kirin afirmou que gostaria de concretizar a venda já neste terceiro trimestre, após fazer todas as conferências nos números da cervejaria. Será que essa disputa familiar atrapalharia os planos dos japoneses? Ontem, o diretor-executivo da Kirin, Hirotake Kobayashi, assinou um comunicado que dizia estar “convencido das oportunidades que a Schincariol e o mercado brasileiro oferecem. Com nossa experiência no desenvolvimento de produtos e nossa expertise em tecnologia, pesquisa e marketing, pretendemos acelerar o crescimento da cervejaria e ampliar a presença de mercado”. Com a atitude de José Augusto e Gilberto, a paciência será fundamental.

Leia, abaixo, a reportagem sobre a compra da Schin pela Kirin que o Brasil 247 publicou ontem. Ou clique aqui:

247_Sayonara, Schin. Mais uma cervejaria brasileira foi desnacionalizada. Depois da brasileira Ambev, vendida para o grupo belga Interbrew, e da Kaiser, alienada para a mexicana Femsa, foi a vez da Schincariol, de Itu, que acabou sendo adquirida pelo grupo japonês Kirin, por R$ 3,95 bilhões. O negócio causou espanto no mercado cervejeiro brasileiro. A venda da companhia brasileira era dada como certa para a SabMiller, dona da marca Heineken, que chegou até a iniciar uma due dilligence (procedimento que analisa toda as contas de uma empresa que será comprada). Os japoneses, porém, foram pacientes e esperaram o momento certo para adquirir a segunda maior fabricante do mercado brasileiro com, aproximadamente, 11% das vendas.

A Kirin comprou o controle da Aladre-Schinni, sociedade que pertencia aos irmãos Alexandre e Adriano Schincariol, donos de 50,45% das ações. Os acionistas minoritários continuam sendo os primos José Augusto e Gilberto, que manterão os 49,55% de participação. O negócio será finalizado ainda no terceiro trimestre deste ano. Com a desnacionalização da Schin, resta um único grupo cervejeiro de capital nacional: o Petrópolis, que produz a marca Itaipava.

A venda da cervejaria pelos irmãos Alexandre e Adriano era uma operação que vinha sendo preparada há alguns anos. Desde 2005, quando eles foram presos pela Polícia Federal na operação Cevada, que buscou acabar com uma rede de sonegação de vários impostos, como o Imposto de Renda e o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, Alexandre e Adriano queriam passar a cervejaria para frente. Na época, eles acusaram os concorrentes insatisfeitos pelo avanço da Schin de armar a operação que teria um único objetivo: atender a interesses privados. Era um segundo drama para uma família que ainda não tinha se recuperado do traumático assassinato de José Nelson Schincariol, fundador da companhia, e vítima de um crime ainda não esclarecido, em agosto de 2003, quando tinha 60 anos. A soma desses dois problemas fazia os Schincariol desejarem se ver livres da sua fábrica de bebidas.

O certo é que nos últimos seis anos, a Schincariol ameaçou abrir seu capital na bolsa de valores e foi cobiçada por grandes grupos cervejeiros globais, que desejavam crescer no Brasil via aquisição. Enquanto fazia o papel da noiva do mercado cervejeiro, a Schin fez um bem-sucedido plano de negócios para comprar pequenas cervejarias que caíram no gosto popular. Com fabricação artesanal, produção limitada e distribuição para um seleto grupo de cidades e bares, em pouco tempo a Schin adquiriu as cobiçadas Devassa (Rio de Janeiro), Baden Baden (Campos do Jordão, SP) e Eisenbahn (Blumenau, SC). Ao invés de concentrar as atenções no mercado das cervejas pilsen, onde a concorrência com marcas como Skol, Brahma, Antarctica e Kaiser era mais complicada, a empresa passou a ter uma carta de bebidas premium, que geravam um valor maior de venda – embora a Nova Schin continuasse como o carro-chefe.

O que muitos apreciadores temiam não aconteceu: a Schin não mexeu na fórmula de sucesso das cervejas premium. Aportou capital para fazê-las crescer e chegar a um grupo maior de consumidores. Além disso, aproveitou a marca Devassa para lançar uma bebida pilsen com todas as provocações que o nome permitia. A primeira garota-propaganda foi Paris Hilton, a bilionária herdeira da rede de hotéis que se envolve em polêmicas amorosas pelo mundo. A mais audaciosa contratação, porém, foi da cantora Sandy, filha do sertanejo Xororó, que de papel de moça recatada se transformou em mulher-veneno ao associar a sua imagem à da revista. A estratégia de marketing deu tão certo que o retorno com as propagandas da Sandy renderam 40% mais para a Schin do que a primeira tentativa com a internacional Paris Hilton, dizem pessoas próximas à empresa. Os irmãos Adriano e Alexandre tinham deixado os planos de venda para trás?

Não, não tinham. Agora, a japonesa Kirin, com faturamento de R$ 40 bilhões no ano passado, vai ficar com uma empresa fundada em 1939 em Itu, cidade do interior de São Paulo, com 13 fábricas no Brasil, todas as marcas populares e premium, além das unidades de fabricação das bebidas não-alcóolicas. Sayonara, Schin.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email