Privatização de refinarias da Petrobrás aumentaria a gasolina em 19% e diesel, 12%, diz observatório

O levantamento foi realizado pelo Observatório Social da Petrobras (OSP), com base no comportamento dos preços da refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia

www.brasil247.com - Refinaria Landulpho Alves
Refinaria Landulpho Alves (Foto: Petrobras)


Por Tiago Pereira, da RBA - Desde 2016, após o golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, a Petrobras incluiu no seu “plano de desinvestimento” a privatização de oito das suas 14 refinarias. O argumento é que a venda das unidades de refino traria maior competição ao setor, fazendo cair os preços. De lá para cá, a refinaria Landulpho Alves (Rlam) – atual Mataripe –, na Bahia, passou para as mãos do fundo árabe Mubadala. Nesta sexta-feira (13), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição da Refinaria Isaac Sabbá (Reman) pelo Grupo Atem.

A privatização da Rlam, no entanto, desmente o discurso oficial do governo. Desde que foi vendida, a Mataripe vem praticando os mais altos preços dos combustíveis no país. De acordo com o Dieese, só neste ano, a refinaria aumentou a gasolina em 48%. No diesel, o aumento chegou a 58%. Em comparação, os preços da gasolina e do diesel na Refinaria Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, ainda sob controle da Petrobras, subiram 37% e 45%, respectivamente.

Com base no comportamento dos preços da Mataripe, o Observatório Social da Petrobras (OSP) estima que a gasolina ficaria, em média, 19% mais cara no país, caso as outras sete refinarias já fossem privatizadas. No diesel, o aumento seria de 12%. O jornal Folha de S.Paulo publicou o levantamento nesta sexta-feira (13).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Essa simulação mostra que o efeito imediato da privatização da Petrobras é a subida geral de preços e não a diminuição, como o atual ministro de Minas e Energia (Adolfo Sachsida) quer fazer crer com sua declaração”, afirmou o economista Eric Gil Dantas, do OSP.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pior que o PPI

Também desde 2016, a Petrobras vem praticando a política de Preço de Paridade de Importação (PPI). Assim, a estatal passou a vincular os preços dos combustíveis produzidos no Brasil à variação do petróleo no mercado internacional, acrescidos dos custos de logística para importação que são inexistentes. Como resultado, somente de janeiro de 2019 para cá, a gasolina acumula alta 155,8% nas refinarias. O diesel subiu 165,6%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ainda assim, com as refinarias na mãos da iniciativa privada, a política de preços seria ainda pior. Na Reman, por exemplo, o OSP estimou que o litro da gasolina passaria dos atuais R$ 3,79 para R$ 4,44. Já o diesel passaria de R$ 4,88 para R$ 5,74.

De acordo com o OSP, a Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim (MG), teria a maior alta entre as refinarias privatizadas. O preço da gasolina passaria para R$ 4,86 pela gasolina, em vez dos atuais R$ 3,94. Já o diesel iria para R$ 6,25, contra R$ 5,04 cobrados atualmente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email