Produção industrial cai em 10 dos 15 estados pesquisados, diz IBGE

Produção industrial recuou em dez dos 15 locais pesquisados pelo IBGE na passagem de maio para junho. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, os recuos mais acentuados foram observados nos estados do Rio de Janeiro (-5,9%), em Pernambuco (-3,9%) e na Bahia (-3,4%)

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Vitor Abdala, repórter da Agâcia Brasil - A produção industrial recuou em dez dos 15 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de maio para junho. Segundo a Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física Regional, divulgada hoje (7), os recuos mais acentuados foram observados nos estados do Rio de Janeiro (-5,9%), em Pernambuco (-3,9%) e na Bahia (-3,4%).

Também tiveram quedas os estados do Paraná (-2,3%), São Paulo (-2,2%), Santa Catarina (-1,2%), Ceará (-0,9%), Minas Gerais (-0,9%) e Mato Grosso (-0,6%), além da Região Nordeste (-1,2%), que é a única região pesquisada de forma conjunta.

Por outro lado, cinco estados tiveram alta, com destaque para o Pará (4,9%). As demais taxas positivas foram registradas por Rio Grande do Sul (2%), Amazonas (1,8%), Espírito Santo (1%) e Goiás (0,1%).

Na comparação com junho de 2018, onze dos 15 locais pesquisados tiveram queda. Os maiores recuos foram observados no Mato Grosso (-13,6%), Espírito Santo (-13,2%) e em Minas Gerais (-12%). Apenas quatro estados tiveram alta: Amazonas (5,4%), Rio Grande do Sul (3,5%), Pará (2,7%) e Ceará (0,7%).

No acumulado do ano, nove locais tiveram recuo na produção industrial, sendo o maior deles registrado no Espírito Santo (-12%). Seis estados tiveram alta, com destaque para Rio Grande do Sul (8,0%) e Paraná (7,8%).

No acumulado nos últimos 12 meses, perdas também foram registradas em nove locais, com destaque para o Espírito Santo (-4,5%). Dos seis locais em alta, a maior delas foi observada no Rio Grande do Sul (9,4%).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email