PSDB avisa que também quer cassar Temer

No exercício da Presidência, entre novembro de 2014 e julho de 2015, o vice Michel Temer (PMDB) assinou sete decretos que abriram crédito suplementar de R$ 10,807 bilhões; prática é a mesma adotada pela presidente Dilma Rousseff, apontada como um dos principais motivos para o pedido de impeachment aberto contra ela na Câmara; oposição vai pedir ao TCU uma investigação sobre o caso; “Se a conclusão for de que o vice também cometeu crime de responsabilidade, é obvio que o processo de impeachment deve ser ampliado e os dois deverão ser colocados no banco dos réus”, disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR); se der certo, quem assume é Eduardo Cunha

No exercício da Presidência, entre novembro de 2014 e julho de 2015, o vice Michel Temer (PMDB) assinou sete decretos que abriram crédito suplementar de R$ 10,807 bilhões; prática é a mesma adotada pela presidente Dilma Rousseff, apontada como um dos principais motivos para o pedido de impeachment aberto contra ela na Câmara; oposição vai pedir ao TCU uma investigação sobre o caso; “Se a conclusão for de que o vice também cometeu crime de responsabilidade, é obvio que o processo de impeachment deve ser ampliado e os dois deverão ser colocados no banco dos réus”, disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR); se der certo, quem assume é Eduardo Cunha
No exercício da Presidência, entre novembro de 2014 e julho de 2015, o vice Michel Temer (PMDB) assinou sete decretos que abriram crédito suplementar de R$ 10,807 bilhões; prática é a mesma adotada pela presidente Dilma Rousseff, apontada como um dos principais motivos para o pedido de impeachment aberto contra ela na Câmara; oposição vai pedir ao TCU uma investigação sobre o caso; “Se a conclusão for de que o vice também cometeu crime de responsabilidade, é obvio que o processo de impeachment deve ser ampliado e os dois deverão ser colocados no banco dos réus”, disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR); se der certo, quem assume é Eduardo Cunha (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A oposição anunciou que vai pedir ao TCU uma investigação sobre o vice Michel Temer (PMDB), que no exercício da Presidência, entre novembro de 2014 e julho de 2015, assinou sete decretos que abriram crédito suplementar de R$ 10,807 bilhões. É o que indica a reportagem de Andreza Matais e João Villaverde.

A prática é a mesma adotada pela presidente Dilma Rousseff, apontada como um dos principais motivos para o pedido de impeachment aberto contra ela na Câmara.

“Se a conclusão for de que o vice também cometeu crime de responsabilidade, é obvio que o processo de impeachment deve ser ampliado e os dois deverão ser colocados no banco dos réus”, disse o senador Álvaro Dias (PSDB-PR).

Questionado sobre os decretos, Temer disse que agiu 'em nome de Dilma'.

Se der certo a solução proposta por Álvaro Dias, quem assume é Eduardo Cunha.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247