Rede Forever 21, ícone da fast fashion, fecha 11 lojas no Brasil

Rede varejista de moda está em recuperação nos EUA desde fins de 2019 e fechará 11 lojas em diversos shoppings

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A rede Forever 21, ícone da fast fashion (moda rápida) no mundo, está fechando 11 de suas lojas no Brasil. Conhecida pela venda de roupas a preço baixo, a rede sofreu diversas acusações de uso de trabalho escravo ao longo dos anos. Serão fechadas as 11 lojas na rede carioca de shopping centers Multiplan. A Forever está em recuperação judicial nos EUA desde fins de 2019.O fim das atividades da Forever 21 abrange todas as 11 unidades localizadas na rede da Multiplan, entre elas os shoppings Morumbi, Vila Olímpia e Anália Franco (São Paulo), Brasília, Ribeirão Preto (SP), Canoas (RS), entre outras. O fechamento das lojas já começou e será concluído em fevereiro, informa O Estado de S.Paulo.

A Forever 21 continua funcionando em outros locais, como os centros de compras da Aliansce Sonae e da AD Shoppings. A BRMAlls, que também abriga a varejista, foi consultada sobre a situação da empresa, mas não comentou.

A Forever 21 foi fundada em 1984 pelo sul-coreano Do Won Chang e se tornou bastante popular entre consumidores jovens a partir de meados dos anos 1990. No Brasil, a rede varejista atua desde 2014.

A companhia passou por uma expansão acelerada ao redor do mundo, com abertura rápida de lojas em diversos países. No entanto, teve dificuldades para se manter em sintonia com as mudanças rápidas dos gostos dos consumidores e o dinamismo do comércio eletrônico.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247