Renda dos brasileiros só cai desde o golpe contra Dilma

Dados apontam que os brasileiros ficaram mais pobres desde que a oposição começou a sabotar o governo Dilma para promover o golpe de 2016

PIB per capita brasileiro cai mais de 11% em sete anos
PIB per capita brasileiro cai mais de 11% em sete anos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A recessão observada entre o fim de 2014 e 2016, a lenta retomada da economia dos anos seguintes e a recente crise provocada pelo coronavírus fizeram o Brasil fará o brasileiro ficar cerca de 10% mais pobre. Entre 2013 - último ano de crescimento mais robusto da economia - e o fim de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita passará de R$ 8.519 para R$ 7.559 e terá encolhido 11,3% no período, apontaram cálculos da consultoria LCA. O PIB per capital é a soma de tudo o que país produz dividido pela população.

"A realidade é muito mais triste do que apenas esse dado. Nesse período, a média de crescimento do mundo foi de 4% ao ano", disse o economista da LCA Cosmo Donato. "É preciso levar em conta também o que o país deixou de crescer, sobretudo na comparação com os emergentes. O buraco é mais embaixo", complementou. Os relatos foram publicados no portal G1

Após o golpe contra Dilma Rousseff, em 2016, foi implantada no Brasil uma agenda baseada no corte de direitos e investimentos, para diminuir gastos do Estado e fazer políticos, empresários e a população acreditarem que o setor privado será a solução para a crise, o que ainda não teve efeito prático. 

Em 2020, os analistas consultados pelo relatório Focus, do Banco Central, estimam uma queda do PIB de 5,77%.

"A crise de 2015 e 2016 foi bastante profunda. Houve uma retração do PIB de 7% e só recuperamos metade disso mais ou menos", afirmou o sócio e economista da Kairós Capital, André Loes. 

"O final do ano passado prometia uma aceleração para este ano, talvez o país fosse crescer entre 2% e 2,5%, mas aí veio pandemia", acrescentou. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247