Revisão da meta fiscal já é quase obrigatória

O adiamento da publicação do edital para o leilão de quatro usinas da Cemig e a redução do aumento do PIS/Cofins sobre o etanol e tornam praticamente obrigatória a revisão da meta fiscal deste ano, para um déficit maior que os R$ 139 bilhões; odiscurso é que a meta precisa ser perseguida, preferencialmente com redução de gastos, o Orçamento já foi contingenciado em R$ 45 bilhões, quase paralisando a máquina pública

Bras�lia - Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente Michel Temer durante anuncio do pacote de medidas econ�micas (Beto Barata/PR)
Bras�lia - Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente Michel Temer durante anuncio do pacote de medidas econ�micas (Beto Barata/PR) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Duas decisões tomadas na sextafeira, a redução do aumento do PIS/Cofins sobre o etanol e o adiamento da publicação do edital para o leilão de quatro usinas da Cemig, tornam praticamente obrigatória a revisão da meta fiscal deste ano, para um déficit maior que os R$ 139 bilhões previstos inicialmente. O discurso é que a meta precisa ser perseguida, preferencialmente com redução de gastos. No entanto, o Orçamento já foi contingenciado em R$ 45 bilhões, quase paralisando a máquina pública.

O que restou foram gastos compulsórios com folha de pagamento e Previdência. Como essas despesas dependem de mudanças legais para se tornarem mais enxutas, a avaliação é que ou se consegue mais receita ou a meta terá de ser alterada. A equipe econômica precisa tanto das receitas de aumento de impostos quanto de concessões.

A mudança na alíquota do etanol foi feita porque o governo havia excedido o limite legal para alterações no PIS/Cofins sobre o produto. Com isso, a arrecadação prevista com o aumento do imposto vai cair R$ 502 milhões, de R$ 10,4 bilhões para R$ 9,9 bilhões. Esse é um problema menor que o das usinas da Cemig. O governo esperava arrecadar R$ 11 bilhões este ano.

Na semana passada, o Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o governo refaça cálculos antes de publicar o edital. O TCU questiona a exigência que os ganhadores do leilão paguem bônus de outorga na assinatura dos contratos, este ano. Se o pagamento não entrar em 2017, a meta não será atingida.

As informações são de reportagem de Martha Beck em O Globo.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247