Rombo nas contas públicas chega a R$ 155,8 bilhões, o maior da história

Dados divulgados nesta terça-feira, 31, pelo Banco Central mostram que o setor público consolidado brasileiro fechou 2016 com déficit primário de R$ 155,791 bilhões; é o pior resultado histórico, mesmo tendo ficado dentro da meta de R$ 163,9 bilhões definida para o ano; rombo provocado pelo golpe parlamentar de 2016 é equivalente a 2,47% do Produto Interno Bruto (PIB); com isso, a dívida bruta subiu 4 pontos percentuais para 69,5% do PIB no ano, enquanto a dívida líquida saltou 10,3 pontos percentuais para 45,95 do PIB; somente em dezembro, o déficit primário foi de R$ 70,7 bilhões

(Brasília - DF, 29/12/2016) Presidente Michel Temer durante pronunciamento á imprensa no Palácio do Planalto. Foto: Alan Santos/PR
(Brasília - DF, 29/12/2016) Presidente Michel Temer durante pronunciamento á imprensa no Palácio do Planalto. Foto: Alan Santos/PR (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro fechou 2016 com déficit primário de 155,791 bilhões de reais, pior resultado histórico, mas dentro da meta de 163,9 bilhões de reais definida para o ano.

O rombo, terceiro consecutivo, é equivalente a 2,47 por centro do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta terça-feira.

A dívida bruta subiu 4 pontos percentuais para 69,5 por cento do PIB no ano, enquanto a dívida líquida saltou 10,3 pontos percentuais para 45,9 por cento do PIB.

Em dezembro, o déficit primário foi de 70,7 bilhões de reais, abaixo de um saldo negativo em 78,0 bilhões de reais estimado por analistas.

 

(Reportagem de Silvio Cascione)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email