Rumores do mercado garantem alta da Usiminas

Comandada por Benjamin Steinbruch, CSN negou interesse em comprar a companhia, que por sua vez, afirmou desconhecer oferta da siderrgica; papeis da empresa foram os nicos a obter resultado positivo no Ibovespa

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Apesar de a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) ter afirmado nesta quinta-feira, em comunicado ao mercado, que não tem fundamento a notícia de que existe e se encontra pendente de resposta uma proposta formulada pela companhia a acionistas da Usiminas com o objetivo de comprar a participação acionária na Usiminas, as ações da siderúrgica mineira continuaram em alta nessa sexta.

Os papéis ON da empresa chegaram a subir 6,26%, liderando as altas do principal índice da Bolsa, e os PNA chegaram a 3,35%, a segunda maior elevação do mercado, ante queda de 1,08% do Ibovespa. A companhia encerrou o dia, porém, com variações de 1,27% e 0,40% e foi um dos dois a ter índice positivo na bolsa, que fechou o mercado em queda de -3,20%. Já os da CSN tiveram queda de -3,61%.

Em resposta à solicitação de esclarecimentos feita pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) acerca de notícia veiculada ontem pelo jornal O Estado de São Paulo e também transmitida pela Agência Estado, a CSN afirmou que "vem recorrentemente informando o mercado acerca das aquisições de ações ordinárias e preferenciais da Usiminas que realiza em bolsa, sempre ciente e em observância das normas aplicáveis à divulgação de atos e fatos relevantes".

Nesta manhã, a Usiminas enviou comunicado ao mercado esclarecendo que "não tem conhecimento de qualquer fato que possa confirmar a eventual oferta da Companhia Siderúrgica Nacional". A nota, assinada pelo vice-presidente de Finanças e Relações com Investidores, Ronald Seckelmann, avisa que a companhia manterá o mercado informado sobre eventuais novas informações.

Conforme noticiou ontem jornal O Estado de S.Paulo, Benjamin Steinbruch, dono da CSN, teria feito uma proposta de compra da fatia de 26% que Camargo Corrêa e Votorantim têm na Usiminas. A oferta teria sido feita semanas atrás, mas Steinbruch ainda não teria obtido resposta, conforme disseram fontes que participam do processo.

Segundo uma fonte próxima da Usiminas ouvida pela repórter Fernanda Guimarães, da Agência Estado, a oferta está entre R$ 33 e R$ 39 por ação ordinária, o que significa um total entre R$ 4,3 bilhões e R$ 5,1 bilhões. A movimentação no mercado acontece porque em caso de troca de controle o acionista minoritário detentor da ação ordinária tem direito ao tag along.

Apesar da renovação do acordo de acionistas da Usiminas, o mercado não descartou a possibilidade de Votora.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247