Sai a reforma de Temer: 65 anos, pensão menor e privilégios mantidos

Foram definidos os principais pontos da reforma da Previdência de Michel Temer, que será apresentada ao Congresso nesta terça-feira; ela castiga a população mais pobre e preserva privilégios das castas mais favorecidas do Estado; a idade mínima será de 65 anos para homens e mulheres; as pensões também serão desvinculadas do salário mínimo – o que significa que ficarão abaixo do piso salarial; as Forças Armadas, no entanto, não serão afetadas e os parlamentares, que votarão a proposta, também devem ser preservados; medidas foram anunciadas pelo jornal O Globo, que governa o Brasil em parceria com Temer

Presidente Michel Temer durante reunião com ministros e líderes da base aliada na câmara dos deputados no Palácio do Alvorada (Brasília - DF 27/09/2016) Foto: Beto Barata/PR
Presidente Michel Temer durante reunião com ministros e líderes da base aliada na câmara dos deputados no Palácio do Alvorada (Brasília - DF 27/09/2016) Foto: Beto Barata/PR (Foto: Leonardo Attuch)

247 – Pressionado a executar sua "ponte para o futuro" antes que seu governo chegue a um fim prematuro, em razão das delações da Odebrecht ou do caso Geddel Vieira Lima, Michel Temer apresentará sua reforma da Previdência nesta terça-feira.

Os principais pontos foram divulgados pelo jornal O Globo, que, hoje, governa o Brasil em parceria com Temer. São eles:

1) idade mínima de 65 anos para homens e mulheres, o que vale para todos os homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 (para os demais, haverá uma regra de transição).

2) pensões desvinculadas do salário mínimo – o que significa que ficarão abaixo do piso salarial.

3) intocabilidade das Forças Armadas e dos parlamentares, que votarão a proposta.

Ou seja: a reforma de Temer é a expressão plena de seu governo. Pune os mais pobres e protege os mais ricos.

Temer se aposentou aos 55 anos. Confira vídeo do canal Notícias comentadas:



Conheça a TV 247

Mais de Economia

Ao vivo na TV 247 Youtube 247