Schahin fecha acordo de delação e colocará tornozeleira eletrônica

Condenado, junto com seu irmão, Salim, a nove anos e dez meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta do banco Schahin, no caso do empréstimo de R$ 12 milhões em nome do PT, o empresário Milton Taufic Schahin, sócio do Grupo Schahin, fechou acordo de delação premiada com a Lava Jato e terá de pagar uma multa de R$ 7 milhões e colocar tornozeleira eletrônica

Condenado, junto com seu irmão, Salim, a nove anos e dez meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta do banco Schahin, no caso do empréstimo de R$ 12 milhões em nome do PT, o empresário Milton Taufic Schahin, sócio do Grupo Schahin, fechou acordo de delação premiada com a Lava Jato e terá de pagar uma multa de R$ 7 milhões e colocar tornozeleira eletrônica
Condenado, junto com seu irmão, Salim, a nove anos e dez meses de prisão por corrupção e gestão fraudulenta do banco Schahin, no caso do empréstimo de R$ 12 milhões em nome do PT, o empresário Milton Taufic Schahin, sócio do Grupo Schahin, fechou acordo de delação premiada com a Lava Jato e terá de pagar uma multa de R$ 7 milhões e colocar tornozeleira eletrônica (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O empresário Milton Taufic Schahin, sócio do Grupo Schahin, fechou um acordo de delação premiada com a Lava Jato no qual pagará uma multa de R$ 7 milhões e colocará uma tornozeleira eletrônica

Ele foi condenado, junto com seu irmão, Salim, a nove anos e dez meses de prisão pelos crimes de corrupção e gestão fraudulenta do banco Schahin, no caso do empréstimo de R$ 12 milhões em nome do PT.  A contrapartida teria sido um contrato de US$ 1,6 bilhão com a Petrobras.

Em troca, o Ministério Público Federal proporá a suspensão de procedimentos criminais, de inquéritos policiais e de ações penais "em curso ou ainda a serem instaurados em desfavor do colaborador".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247