Sem recursos da Alemanha, Banco do Brics empresta US$ 500 milhões pra Brasil tratar lixo

O valor de aproximadamente R$ 2 bilhões será destinado ao financiamento de obras de tratamento de lixo. O aporte ocorre após a Alemanha cortar recursos que seriam repassados para o Fundo Amazônia

(Foto: Gil-Design/Thinkstock)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik Brasil - O aporte ocorre após a Alemanha cortar recursos que seriam repassados para o Fundo Amazônia, inciativa de preservação ambiental que conta também com dinheiro da Noruega. Berlim alega que a medida foi tomada por conta da atual política ambiental brasileira. 

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que os recursos que o Brasil receberá do NBD serão com juros "praticamente zero".

Criado em 2015 durante cúpula do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o BND tem sua sede em Xangai, na China, e deverá ganhar um escritório em São Paulo ainda neste ano. Com um capital subscrito de US$ 50 bilhões, a entidade bancária fornece empréstimos para os países do bloco, mas também pode emprestar para outros países em desenvolvimento.  

Além dos US$ 500 milhões que serão emprestados pelo BND, o Brasil estuda quanto irá investir do seu bolso para complementar o projeto do programa de melhorias no tratamento de lixo.

Segundo dados da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, o Brasil tem 3 mil lixões a céu aberto. 

O especialista em BRICS e professor de Relações Internacionais da PUC-Rio Paulo Wrobel afirma que "a Amazônia tem uma visibilidade internacional por questões óbvias", mas ressalta que o Brasil tem uma série de questões ambientais.

Entre os membros do BRICS, o Brasil (US$ 621 milhões) é o país que tem menos recursos em empréstimos autorizados pelo NBD. Os dados são de 2018 e, portanto, não contabilizam o mais novo aporte de US$ 500 milhões que se desenha. A China (US$ 2,75 bilhões) lidera a lista de quem mais teve repasses de recursos autorizados, seguida por Índia (US$ 2,55 bilhões), Rússia (US$1,46 bilhão) e África do Sul (US$ 680 milhões). Os dados estão disponíveis no relatório anual de 2018 da entidade financeira.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247