Soros: Bancos agem como parasitas da economia real

Segundo o bilionário americano George Soros, no livro "A Tragédia da União Europeia", lucratividade do setor financeiro tem sido excessiva - 35% de todos os lucros das empresas no Reino Unido e nos Estados Unidos vêm de bancos

Segundo o bilionário americano George Soros, no livro "A Tragédia da União Europeia", lucratividade do setor financeiro tem sido excessiva - 35% de todos os lucros das empresas no Reino Unido e nos Estados Unidos vêm de bancos
Segundo o bilionário americano George Soros, no livro "A Tragédia da União Europeia", lucratividade do setor financeiro tem sido excessiva - 35% de todos os lucros das empresas no Reino Unido e nos Estados Unidos vêm de bancos (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O sistema bancário da União Europeia é um "parasita" que mantém uma relação "incestuosa" com os reguladores e impede a resolução dos problemas causados pela crise de 2008, acredita o bilionário americano George Soros.

"Os bancos agem como um parasita sobre a economia real. Lucratividade do setor financeiro tem sido excessiva. Pois 35% de todos os lucros das empresas no Reino Unido e nos Estados Unidos vêm do setor financeiro. É um absurdo", escreve Soros em seu novo livro: "A Tragédia da União Europeia". 

O investidor diz que os problemas que levaram à crise econômica na zona do euro em sua maioria não foram resolvidos. "Os órgãos reguladores e bancos centrais tem feito muito pouco contra a alavancagem excessiva no setor bancário europeu", diz.

"A maior ameaça que o setor financeiro enfrenta é a relação incestuosa entre as autoridades nacionais e a administração dos bancos", disse ele. 

Ele mencionou a França, "cujos inspetores financeiros apenas fazem gerir os seus maiores bancos ".

De acordo com Soros, a UE corre o risco de se tornar uma coisa do passado se não reformar sua estrutura danificada. 

Acrescentou ainda que há chances reais de a Alemanha sair da zona euro, o que implicaria na forte desvalorização do euro, enquanto o marco alemão iria atravessar o telhado e o país descobriria o quão doloroso é ter uma moeda superestimada.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email