HOME > Economia

Steinbruch: PEC do teto e mudanças no BNDES são entraves a investimento

Para o empresário e diretor da CSN, Benjamin Steinbruch, há dois grandes entraves para o investimento no Brasil: a PEC que limita o teto de gastos públicos e a mudança nos juros do BNDES;  "Nada contra a contenção de gastos do governo. Ao contrário, ela é muito necessária e benéfica. Só que há um problema: quando existem restrições orçamentárias, como a que será imposta pela PEC, o governo, qualquer que seja ele, vai cortar investimentos, e não gastos correntes. É o que sempre se dá, porque uma grande parte dos gastos correntes, como salários do funcionalismo e Previdência Social, é pouco controlável", escreve

São Paulo, 16/11/2011, Encontro Brasil África - O vice-presidente da Fiesp, Benjamin Steinbruch durante encontro Brasil e Africa para discutir investimentos que tenham como meta o desenvolvimento dos países da África na sede da FIESP na Av Paulista nessa (Foto: Giuliana Miranda)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 - Em artigo publicado nesta terça na Folha de S.Paulo, o empresário e diretor da CSN, Benjamin Steinbruch, há dois grandes entraves para o investimento no Brasil: a PEC que limita o teto de gastos públicos e a mudança nos juros do BNDES.

"Investimentos públicos e privados são um motor de crescimento econômico. Nem é preciso usar linguagem de economista para explicar por quê.

(...)

O dilema de hoje é que estão colocadas duas enormes travas para os investimentos no país.

Nada contra a contenção de gastos do governo. Ao contrário, ela é muito necessária e benéfica. Só que há um problema: quando existem restrições orçamentárias, como a que será imposta pela PEC, o governo, qualquer que seja ele, vai cortar investimentos, e não gastos correntes. É o que sempre se dá, porque uma grande parte dos gastos correntes, como salários do funcionalismo e Previdência Social, é pouco controlável.

Isso está ocorrendo neste exato momento no país em razão da austeridade nos gastos. O investimento público (excluídas as estatais), que já atingiu 3,2% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2010, neste ano foi cortado de tal forma que vai representar 0,4% do PIB, com um valor estimado de apenas R$ 25 bilhões em todo o exercício deste ano.

A trava no setor privado tem outra característica. Decorre de uma visão equivocada que vai tornar muito menos acessível, por causa das taxas de juros, o financiamento de longo prazo. O BNDES, principal indutor de investimentos no país, deve passar a operar cada vez mais com taxas de juros elevadas, próximas às de mercado.

Além disso, o banco de fomento terá recursos mais escassos. Já foi anunciada a intenção do governo de obrigá-lo a devolver R$ 50 bilhões ao Tesouro neste ano e mais R$ 130 bilhões em 2018."

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: