Temer exige privatizações para socorrer Estados

Em contrapartida à renegociação da dívida com a União, que concordou em dar seis meses de moratória e pagamentos inferiores aos valores originais das prestações por dois anos, Estados estão sendo pressionados pelo governo interino de Michel Temer a fazer privatizações; o governo do Rio de Janeiro já concordou em privatizar a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), estatal que faturou R$ 4,1 bilhões no ano passado; e Goiás, a Celg, a distribuidora de energia do Estado

Em contrapartida à renegociação da dívida com a União, que concordou em dar seis meses de moratória e pagamentos inferiores aos valores originais das prestações por dois anos, Estados estão sendo pressionados pelo governo interino de Michel Temer a fazer privatizações; o governo do Rio de Janeiro já concordou em privatizar a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), estatal que faturou R$ 4,1 bilhões no ano passado; e Goiás, a Celg, a distribuidora de energia do Estado
Em contrapartida à renegociação da dívida com a União, que concordou em dar seis meses de moratória e pagamentos inferiores aos valores originais das prestações por dois anos, Estados estão sendo pressionados pelo governo interino de Michel Temer a fazer privatizações; o governo do Rio de Janeiro já concordou em privatizar a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), estatal que faturou R$ 4,1 bilhões no ano passado; e Goiás, a Celg, a distribuidora de energia do Estado (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em contrapartida à renegociação da dívida com a União, que concordou em dar seis meses de moratória e pagamentos inferiores aos valores originais das prestações por dois anos, Estados estão sendo pressionados pelo governo interino de Michel Temer a fazer privatizações.

O governo do Rio de Janeiro já concordou em privatizar a Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), estatal que faturou R$ 4,1 bilhões no ano passado. Por sua vez, Goiás também concordou em vender a Celg, a distribuidora de energia do Estado.

A barganha foi confirmada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, ao Valor. Segundo ele, o processo de venda das estatais estaduais será conduzido pelo BNDES, uma exigência do governo federal. "O BNDES já está trabalhando intensamente nisso [na privatização da Cedae]", afirmou – leia aqui.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247