Temer recebe Tanure e decide salvar a Oi

Após receber em reunião o empresário Nelson Tanure, um dos maiores acionistas da Oi, Michel Temer intercedeu para resolver a situação financeira da operadora, que está em recuperação judicial com uma dívida de R$ 64,5 bilhões e pode sofrer intervenção da Anatel, a agência reguladora do setor; uma das ideias é baixar uma lei ampliando o prazo de parcelamento da dívida das empresas com o governo de cinco para 20 anos. Não haveria descontos, como no Refis, programa de refinanciamento de dívidas tributárias

Nelson Tanure e Oi
Nelson Tanure e Oi (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Depois de receber o empresário Nelson Tanure, um dos maiores acionistas da Oi, Michel Temer intercedeu para resolver a situação financeira da operadora, que está em recuperação judicial com uma dívida de R$ 64,5 bilhões e pode sofrer intervenção da Anatel, a agência reguladora do setor.

Nesta segunda-feira (9), Temer convocou uma reunião no Palácio do Planalto com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Henrique Meirelles (Fazenda) e Grace Mendonça (Advocacia-Geral da União), além de representantes do Ministério das Comunicações e da Anatel.

Também participaram Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES, um dos maiores credores da Oi.

A partir de agora, caberá à ministra Grace Mendonça representar o governo nas conversas com a Oi e a Justiça.

Uma das ideias é baixar uma lei ampliando o prazo de parcelamento da dívida das empresas com o governo de cinco para 20 anos. Não haveria descontos, como no Refis, programa de refinanciamento de dívidas tributárias.

As pendências da Oi com os bancos públicos e a Anatel não podem ser parceladas pelo Refis. Juntos, eles têm R$ 20 bilhões para receber da empresa, dos quais R$ 11 bilhões são multas da Anatel.

As informações são de reportagem de Julio Wiziack da Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247