Tijolaço: O alerta argentino

O editor do Tijolaço, Fernando Brito, ressalta os sinais da crise argentina que levaram o governo de Maurício Macri a anunciar uma alta nos juros e que levou o  Banco Central da República Argentina, a "torrar 0,5 bilhão de dólares para segurar a escalada do câmbio";" no mercado financeiro já se fala em "sair correndo" da Argentina, o que vai custar muito aos nossos vizinhos em matéria de taxas de juros", destaca; Aqui, fecha todos os espaços para nova queda nos juros e dificilmente deixará de representar o reinício de uma sucessão de altas até o final do ano", avalia

Mauricio Macri
Mauricio Macri (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, no TijolaçoQuem acompanhou o noticiário econômico nas década de 80 e 90 lembra, com certeza, do que chamávamos de "Efeito Orloff" na economia, onde a Argentina oferecia uma espécie de avant-première das crises brasileiras: "eu sou você, amanhã", como o bordão publicitário da marca e vodca.

Claro que não se pode fazer transposições mecãnicas daqueles tempos para hoje, mas também é evidente que a situação do país vizinho reflete-se na disposição do investimento estrangeiro, que tem funcionado como um suporte, desde décadas, de nossas carências financeiras.

Ontem, o dólar, que já vinha em trajetória de alta, disparou no mercado portenho, com um alta de 6%, que eleva a perda da moeda argentina para pouco mais de 10% em um mês.

Aqui, a variação no mesmo período ficou na faixa de 6%.

O Governo de Maurício Macri já anuncia uma alta nos juros e o Banco Central da República Argentina, ontem, torrou 0,5 bilhão de dólares para segurar a escalada do câmbio.

Aqui, o BC anunciou uma oferta adicional de US$ 2,8 bilhões além de seu ritmo normal de colocação de moeda estrangeira no mercado por meio de contratos de troca futura (swap) de dólares. E vai sair cara a alta, porque em 1° de junho vencem quase um quarto dos contratos de dólar postos no mercado: US$ 5,65 de um estoque total de cerca de US$ 23,8 bilhões de sua carteira neste tipo de operação.

Np mercado financeiro já se fala em "sair correndo" da Argentina, o que vai custar muito aos nossos vizinhos em matéria de taxas de juros.

Aqui, fecha todos os espaços para nova queda nos juros e dificilmente deixará de representar o reinício de uma sucessão de altas até o final do ano. As expectativas de inflação já refletirão, na próxima segunda feira, previsões de inflação mais altae os preços, hoje, já sentirão a alta da moeda norte-americana: o diesel foi reajustado em 2,5% e a gasolina a 1,1%. Não vai ser só isso.

O mercado pôs as barbas de molho, isso ainda sem o anúncio do Federal Reserve da elevação das taxas de juros no EUA.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247