Vale-tudo na Vale?

Governo pressiona para trocar presidente da empresa. Bradesco resiste. Congresso chama Mantega. Afinal, quem vai comandar a maior mineradora do mundo?



O jogo em torno da substituição do presidente da Vale, Roger Agnelli, chegou ao Congresso Nacional. A Comissão de Fiscalização Financeira e Controle (CFFC) da Câmara dos Deputados aprovou hoje um convite para que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, compareça à Casa para dar explicações sobre a suposta interferência do governo na empresa Vale. Como é convidado, Mantega não é obrigado a comparecer.

O governo tem manifestado intenção de trocar Agnelli por um nome mais próximo do Palácio do Planalto. Já no segundo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o governo pressionou o Bradesco, responsável pela indicação de Agnelli, a aceitar um outro ocupante para a posição. Na ocasião alegou que a Vale havia se precipitado na demissão de mil funcionários e exagerado nos planos de investimento no exterior, em detrimento das operações brasileiras.

Vários nomes têm aparecido como possíveis substitutos de Agnelli. Um deles, conforme antecipou o brasil247, é Rodolfo Landim, ex-funcionário de carreira da Petrobras e ex-presidente da BR Distribuidora. Outro candidato seria Rossano Maranhão, ex-presidente do Banco do Brasil e atualmente no comando do Banco Safra. Fábio Barbosa, presidente do conselho de administração do Santander, também estaria cotado para o cargo. O Bradesco resistiu à pressão do governo na gestão de Lula. Desta vez, porém, há um novo ingrediente. O mandato de Agnelli termina em abril. Portanto, haveria uma explicação técnica para sua saída, o que minimizaria, em tese, o impacto da mudança no mercado.

O requerimento para Mantega é de autoria do deputado Mendonça Filho (DEM-PE). Num primeiro momento, Mendonça Filho queria convocar o ministro. Um acordo, porém, transformou a convocação em convite. Não há data previamente estabelecida para a audiência. O parlamentar afirma que desde 2009 existem pressões sobre a empresa para a destituição de Roger Agnelli do cargo de presidente. Ele destaca que, recentemente, foram divulgadas notícias de que o ministro tenta interferir diretamente no assunto.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Entendemos absurda essa tentativa, haja vista tratar-se de empresa de capital privado e aberto. Preocupa-nos mais o fato de tal interferência prejudicar acionistas minoritários, que aguardam ansiosamente pelo resultado das discussões, uma vez que veem o preço de suas ações terem a performance afetada negativamente", diz Mendonça Filho. Reportagem do Estado informou que Mantega pedirá ao Bradesco, que é um dos maiores acionistas da empresa, que faça a substituição de Agnelli.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email