Alysson Mascaro: esquerda liberal funciona como um disco riscado

Jurista avalia que forças progressistas majoritárias nada aprenderam com golpe de 2016 e continuam capturadas pelo ‘republicanismo’; veja video na íntegra

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução | Agência Câmara)


Por Camila Alvarenga, do Opera Mundi - No programa 20 MINUTOS desta quarta-feira (11/05), o jornalista Breno Altman entrevistou o jurista e filósofo, que também é autor de diversos livros e professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Alysson Mascaro.

Na conversa, o entrevistado traçou um panorama da esquerda brasileira que definiu como majoritariamente liberal, “de uma geração perdida em 1964, que perdeu seu ímpeto revolucionário”. Essa esquerda, segundo Mascaro, é reformista, pacifista e foi capturada pelo “republicanismo”.

“É uma esquerda edulcorada, uma esquerda liberal com grupos que enxerga lutas identitárias e as culpa pelo fim da luta revolucionária sendo que são lutas fundamentais e que quem começou a fazer acordos foram os sindicatos em busca de aumentos salariais. A plataforma da esquerda liberal é econômica, mas como realiza essa disputa? Funciona como um disco quebrado, disputando apenas dentro do capitalismo, sem romper com ele”, criticou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O jurista reiterou que o problema é o capitalismo do Brasil em geral, “não a Globo” ou determinadas privatizações. “As esquerdas estão dentro do Capital e, portanto, estão erradas de ponta a ponta. Não salva ninguém”, enfatizou. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Por outro lado, Mascaro enxerga possibilidade de superação dessa tendência, mas, indaga: "a esquerda fará isso?”. Em sua opinião, grande parte dos setores progressistas não sabem nem diagnosticar o problema para poder superá-lo. Sem falar que a vanguarda intelectual que lidera as esquerdas é formada por um padrão que concorda com o capitalismo estadunidense.

“O que inspira as esquerdas do Brasil é exatamente um quadro ideológico que não foi abalado por 2016, que aguentou calado e no primeiro momento que pode falar fala igual, fala em fazer acordos e tomar a legalidade. O mesmo discurso de há 50 anos. Minha esperança é que em algum momento percebamos que a conta não fecha”, refletiu.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mascaro defendeu que a tão prezada legalidade não é suficiente e é apenas ilusória. Lembrou que, em teoria, o Brasil está proibido de retroceder em conquistas da Organização Internacional do Trabalho e da Consolidação das Leis do Trabalho, mas “deram um golpe, acabaram com tudo e onde estavam os tribunais?”. 

Essa é a percepção que a esquerda, “antimarxista”, deve ter: “o que está em cheque é se o marxismo será aceito pela esquerda do Brasil ou do mundo. Falta análise de capitalismo, falar que o capitalismo é o problema e que socialismo é a solução, para pelo menos chegar ao nível da Bolívia e da Venezuela — que não fizeram quase nada, mas pelo menos não têm vergonha de se dizer socialistas”.

Ser rupturista, contudo, não significa que as esquerdas devam deixar de participar da institucionalidade e disputar eleições, por exemplo. Até porque, de acordo com o jurista, “ela não tem outra opção”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O espaço político é facultativo, mas o espaço econômico não e ele determina o anterior. O Estado, portanto, é um movimento econômico do capital. Quando a esquerda decide que não quer participar, parece que ela se torna pura ou algo, mas na verdade significa que ela jamais entendeu que não tem a opção de viver fora do Estado de direito econômico. Estamos mergulhados na institucionalidade do capital, não tem jeito de não aceitar a cooptação do Estado. A única alternativa é romper com tudo. Não é lutar para enfiar um dedo para afastar a mão que enforca e se contentar com isso, é para tirar a mão”, explicou.

Restituição e ruptura da ordem

Por falar em eleições, Mascaro discordou da leitura atual de que o que está em jogo é a restauração da ordem jurídico-política fixada pela Constituição de 1988 e rompida por Bolsonaro. Para ele, a constituição de 88 não representa um estágio superior da política nacional. Pelo contrário, trata-se, apenas de uma metamorfose de 1964, construída no mesmo processo de consolidação do capitalismo brasileiro, “não é igual a 64, mas não é sua superação, nem é seu oposto”, ainda que Bolsonaro retome, realmente, “uma certa franja do arcabouço de 64”. Isso, segundo ele, só acontece porque em nenhum momento o golpe foi efetivamente enfrentado.

Assim, mesmo vencendo as eleições, “a institucionalidade não terá condições de lograr êxito porque é um processo provisório de domínio de classe”. Ele definiu a Constituição brasileira como um documento excelente para manter os negócios do capital “sem encher o saco da burguesia” — mesmo assim, os programas sociais do PT foram o suficiente para incomodá-la a ponto de nem isso mais bastar, e um golpe ser feito para que as normas de 1964 fossem retomadas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aliás, o jurista alertou para a possibilidade de um novo golpe caso o PT volte a assumir o governo, ainda que, segundo ele, o programa do partido não apresente nada novo, não oferece novos horizontes e não incorpora as massas.

“A esquerda tem qual programa para desmontar o domínio do capital? Deveria oferecer um programa que não se limita a ser um soluço de quatro anos. Precisa mobilizar a sociedade, limpar o pó para demarcar terreno. E qual movimento está sendo feito? Não vejo nenhum”, frisou.

Mesmo assim, Mascaro declarou sua intenção de voto a Lula, já que “é duro ser contra” a única força de oposição a Bolsonaro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email