Caio Cezar: culinária com maconha é saudável

Apresentador do Cozinha 4e20 afirmou que se tem uma visão muito restrita do que é a planta, mas ponderou que não se deve romantizar o uso; assista na íntegra

www.brasil247.com - Caio Cezar
Caio Cezar (Foto: Wikimedia Commons)


Por Camila Alvarenga, do Opera Mundi - No programa SUB40 desta quinta-feira (14/04), o fundador de Opera Mundi, Breno Altman, entrevistou o cozinheiro Caio Cezar, criador e apresentador do Cozinha 4e20, canal sobre culinária canábica e ativismo. 

“A gente tem uma ideia muito restrita sobre o que é maconha. Uma delas é sobre o que se fuma. A gente fuma o fruto, não a flor, como as pessoas pensam. E, do ponto de vista nutricional e terapêutico, é uma coisa maravilhosa. Se você comer só um fruto ou comê-lo cru, muito provavelmente não vai sentir aquele barato. Isso porque o THC, que é o psicoativo, só se ativa quando é aquecido e, na comida, quando é dissolvido na gordura ou álcool. Sabendo disso, o céu é o limite para o que você pode fazer e o que pode consumir”, discorreu Cezar.

Segundo ele, para além de seu efeito medicinal, a maconha também pode ser saudável enquanto comida, “tudo depende do que você está comendo”. Ele lembrou que uma pizza não deixa de ser uma pizza e que uma salada segue sendo uma salada, mesmo que em ambas seja utilizada a erva que, não ativa, “é 100% saudável e super recomendável por suas propriedades anti-inflamatórias”, reforçou. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O importante, destacou Cezar, é o uso consciente. Até porque, a maioria dos pratos com maconha, ou pelo menos aqueles ensinados pela Cozinha 4e20, “dá barato”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O que acontece é que, ao fumar, o THC, o princípio ativo, entra direto no pulmão, salta para a corrente sanguínea, chega no cérebro e bate. Você sente depois de 15 minutos, atinge o ápice em 30, aí estabiliza e vai baixando. Quando você come, o caminho é outro. A substância passa pelo estômago, que manda pro fígado e lá o THC é sintetizado como um canabidiol, ainda mais forte, com efeitos mais intensos e que duram mais tempo, apesar de demorar mais para bater”, explicou.

Cozinheiro canábico há alguns anos, “maconheiro desde os 16” e ativista do movimento de legalização do consumo, ele alertou para o fato de que mesmo que a erva tenha efeitos positivos, “não podemos nunca romantizar o uso”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“A maconha é super legal, mas tem seus riscos, seus dramas e a culinária canábica, por ser tão intensa, traz o risco de uma ‘bad trip’ tremenda. Se a pessoa nunca comeu, a pancada costuma ser maior. Então, assim, maconha não dá overdose porque não afeta nenhum órgão vital, mas existem casos de pessoas que entram em depressão e tomam atitudes extremas. Não é culpa da maconha isso, é da falta de educação e regulamentação que se tem porque não é legalizado”, argumentou.

Nesse sentido, Cezar também chamou a atenção para a qualidade da maconha que se utiliza, seja para cozinhar ou para fumar. O chamado “prensado”, que é a erva manipulada com o uso de agrotóxicos, sem regras de higiene, de forma a prensá-la e vendê-la mais barata, pode ser muito prejudicial à saúde.

“Aqui a gente fala em redução de danos. A gente não recomenda ninguém cozinhar com o prensado, mas a gente sabe que as pessoas vão usar o que elas encontrarem e pronto. Por isso é importante estar informado. O prensado, por ser manipulado da forma como é, além da falta de higiene e dos químicos todos, gera umidade, que pode gerar mofo e amônia, então a gente recomenda as pessoas a lavarem bem”, enfatizou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ativismo, reações e represálias

Nesse sentido, Cezar ressaltou que o seu canal, criado em 2019, além de oferecer receitas, “é explicitamente de ativismo e normalização”, já que grande parte dos efeitos negativos da maconha poderiam ser neutralizados com informação, “e que grandes tabus morais só são quebrados quando a gente normaliza falar sobre eles”.

Mesmo assim, a iniciativa é arriscada. Em teoria, o cozinheiro não está protegido por lei para produzir o seu conteúdo, por mais que nunca tenha sofrido nenhuma perseguição da justiça. Além disso, tem de lidar com o estigma que ainda cerca o tema. Se, por um lado, as plataformas realizam micro censuras e sensibilizam seu conteúdo de modo a que ele apareça para menos pessoas. Por outro, existem os “haters”, que denunciam seu canal, o xingam, “marcam a Polícia Federal até nos comentários”.

“Mas a recepção positiva é muito maior. Recebo relatos de pessoas que falaram sobre como o consumo as ajudou a lidar com convulsões involuntárias, com ansiedade. Outro dia uma moça me escreveu para falar que por causa do azeite de cannabis ela conseguiu ter a primeira relação sexual dela em 30 anos porque tinha endometriose e até então sentia muita dor. E o azeite aliviou isso. Eu chorei lendo esse relato, como choro com outros, é lindo demais”, celebrou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email