"O governo Lula deve atuar em modo de campanha permanente", diz Gleisi Hoffmann

Presidente do PT afirma que é preciso enfrentar a extrema direita e que há risco de que as entregas do governo Lula não sejam reconhecidas pelos eleitores

(Foto: ABR | Ricardo Stuckert)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

247 – A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), a presidente do PT, ofereceu insights valiosos sobre a política nacional em uma entrevista à TV 247. Ela enfatizou a importância de uma "campanha permanente" diante dos desafios impostos pela extrema direita, que, segundo ela, está constantemente no embate político.

Hoffmann destacou as realizações do governo atual, como o aumento do salário mínimo e a renegociação da tabela do Imposto de Renda e as renegociações de dívidas através do programa "Desenrola". Apesar dessas ações, ela ressaltou a necessidade de uma disputa política mais eficaz para garantir o apoio dos eleitores, reconhecendo o risco de realizar muitas entregas sem conseguir conquistar a base eleitoral.

continua após o anúncio

Em sua análise, Hoffmann argumenta que a extrema direita "não tem limites" em sua abordagem política, o que exige uma resposta forte e contínua por parte do PT. Ela também destacou a importância de ter líderes políticos que sejam mais do que apenas bons gestores, enfatizando que o governo resulta de uma disputa política e não de um concurso público.

Sobre as políticas econômicas, Hoffmann expressou respeito por Fernando Haddad, mas apontou divergências na área fiscal, além de criticar a política do Banco Central. Ela também abordou a necessidade de a Petrobras responder às demandas do povo, enfatizando a importância de combustíveis e gás de cozinha mais acessíveis.

continua após o anúncio

Além disso, Hoffmann falou sobre a diversidade na política, afirmando que o PT pode formar bancadas fortes e refletir a diversidade da sociedade brasileira. Ela também mencionou não ter expectativas de assumir um cargo no governo atualmente.

Quanto à política externa, Hoffmann ressaltou o reposicionamento significativo do Brasil no cenário mundial e previu que o próximo ano será mais focado em questões internas. Sobre a posse de Javier Milei na Argentina, ela opinou que o Presidente Lula provavelmente não comparecerá, apesar de reconhecer a importância da Argentina para o Brasil.

continua após o anúncio

Por fim, Hoffmann expressou solidariedade ao jornalista Breno Altman, comentando sobre a perseguição que ele enfrenta por parte da Confederação Israelita do Brasil, considerada por ela como absurda. Assista:

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247