Tico Santa Cruz critica 'purismo' da esquerda brasileira

“Com uma linguagem acadêmica, você não chega à periferia, não atinge o pobre que está querendo uma solução para o problema agora: fome, dignidade, respeito, segurança”, diz o músico

Tico Santa Cruz
Tico Santa Cruz (Foto: Nilson Bastian/ Câmara dos Deputados)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - “Vivemos um momento no Brasil em que o mais importante é conseguir um diálogo para sustentar a nossa democracia”. É o que pensa o vocalista e líder da banda Detonautas, Tico Santa Cruz, durante uma live no canal de Eduardo Moreira.

Para o artista, é fundamental que o movimento de esquerda, como um todo, esteja unido e, principalmente, acessível. “Dentro da democracia sempre vai ter gente de esquerda, centro-esquerda, centro-direita, e a esquerda atual acha que deve haver um “purismo” marxista quando as pessoas ainda

não têm, sequer, a consciência de classe. Porque, com uma linguagem acadêmica, você não chega à periferia, não atinge o pobre que está querendo uma solução para o problema agora: fome, dignidade, respeito, segurança”, afirma. Para Tico, a agenda esquerdista “descolou” desse diálogo mais objetivo.

Eduardo Moreira compartilha do mesmo posicionamento. “A esquerda se afastou da pobreza, dos pobres.” 

Para Tico, o que “mais importa é quem é o mais inteligente e quem tem mais articulação acadêmica”. “Os evangélicos, hoje, fazem o papel que a esquerda deveria estar fazendo. A pessoa está desesperada, passando dificuldades e ouve uma palavra amiga, de amor, é acolhida, e tem uma base para se reorganizar e, quando isso acontece, a vida dela melhora. A esquerda deveria estar pensando é nesse tipo de conduta. Porque é ela que faz com que as minorias sejam respeitadas”, alerta.

O cantor também dá destaque para a dificuldade de acolhimento. “Se você não consegue acolher as pessoas, só consegue apontar o dedo para dizer que pobre de direita é burro, que o outro é idiota, e ainda que ‘sou marxista, eu li O Capital, eu sei o que é 'mais-valia’. Assim, você está falando com uma bolha”.

Eduardo finaliza, acrescentando: “Se continuar assim, vamos afundar cada vez mais na nossa vaidade que, no final, é um medo de reconhecer que há coisas nas quais precisamos evoluir e melhorar”.

Assista à íntegra da conversa:

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247