Piquet pede desculpas por chamar Hamilton de 'neguinho', mas minimiza conotação racista

Ex-piloto brasileiro condenou o racismo, mas alegou que a expressão “neguinho” é “ampla e historicamente” usada de forma coloquial

www.brasil247.com - Nelson Piquet e Lewis Hamilton
Nelson Piquet e Lewis Hamilton (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil | Reuters)


247 - O bolsonarista e ex-piloto brasileiro de Fórmula 1 Nelson Piquet pediu desculpas ao heptacampeão britânico Lewis Hamilton, chamado por ele de “neguinho” em uma entrevista. Apesar do pedido de desculpas, Piquet negou que o termo tenha conotação racista. A polêmica veio à tona após o vídeo da entrevista, datada de novembro do ano passado, viralizar nas redes sociais. 

"Peço desculpas de coração a todos que foram afetados, incluindo Lewis, que é um piloto incrível. Mas a tradução que circula em alguns veículos e nas mídias sociais não é correta", disse Piquet em um comunicado emitido nesta quarta-feira (29), segundo a agência de notícias AFP. 

Ainda segundo ele, o que disse "foi mal pensado, e não vou me defender disso, mas quero esclarecer que o termo é ampla e historicamente usado de forma coloquial na língua portuguesa como sinônimo de 'pessoa' ou 'cara', e não foi usado com intenção de ofender".

"Nunca usaria o termo do qual fui acusado de usar em algumas traduções. Condeno fortemente qualquer sugestão de que teria usado essa palavra com o objetivo de diminuir um piloto por causa da cor de sua pele", completou. 

Na terça-feira (28), Lewis Hamilton reagiu ao vídeo por meio de uma postagem nas redes sociais. “É mais do que linguagem. Essas mentalidades arcaicas precisam mudar e não têm espaço em nosso esporte", postou. A fala de Piquet foi condenada pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) e também pela Fórmula 1, além de equipes e outros pilotos. Os internautas também  reagiram negativamente ao uso do termo racista utilizado pelo brasileiro na entrevista.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

 

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email