A 95 dias da Copa, Dilma tenta conter racismo

"É inadmissível que o Brasil, a maior nação negra fora da África, conviva com cenas de racismo", declarou presidente ao comentar preconceito racial sofrido pelo árbitro Márcio Chagas da Silva e pelo jogador Arouca na última quarta-feira, em Bento Gonçalves (RS) e em partida do Santos contra o Mogi Mirim, respectivamente; em fevereiro, Dilma também levantou bandeira de apoio por Tinga, do Cruzeiro; “Estou convidando líderes religiosos do mundo a enviarem manifestações contra o racismo e pela paz”, escreveu neste domingo em sua conta pessoal no Twitter

"É inadmissível que o Brasil, a maior nação negra fora da África, conviva com cenas de racismo", declarou presidente ao comentar preconceito racial sofrido pelo árbitro Márcio Chagas da Silva e pelo jogador Arouca na última quarta-feira, em Bento Gonçalves (RS) e em partida do Santos contra o Mogi Mirim, respectivamente; em fevereiro, Dilma também levantou bandeira de apoio por Tinga, do Cruzeiro; “Estou convidando líderes religiosos do mundo a enviarem manifestações contra o racismo e pela paz”, escreveu neste domingo em sua conta pessoal no Twitter
"É inadmissível que o Brasil, a maior nação negra fora da África, conviva com cenas de racismo", declarou presidente ao comentar preconceito racial sofrido pelo árbitro Márcio Chagas da Silva e pelo jogador Arouca na última quarta-feira, em Bento Gonçalves (RS) e em partida do Santos contra o Mogi Mirim, respectivamente; em fevereiro, Dilma também levantou bandeira de apoio por Tinga, do Cruzeiro; “Estou convidando líderes religiosos do mundo a enviarem manifestações contra o racismo e pela paz”, escreveu neste domingo em sua conta pessoal no Twitter (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paulo Victor Chagas - Repórter da Agência Brasil
A presidenta Dilma Rousseff disse estar indignada com o preconceito racial sofrido pelo árbitro Márcio Chagas da Silva e pelo jogador Arouca na última quarta-feira (5). Segundo ela, o futebol foi “manchado pelas cenas de racismo” contra os dois brasileiros.

Márcio Chagas foi alvo de ofensas durante partida do campeonato gaúcho em Bento Gonçalves (RS). Após o jogo entre Esportivo e Veranópolis, o carro do juiz foi encontrado com marcas de depredação e com duas bananas, uma referência ao termo macaco, pelo qual parte dos torcedores o chamou.

Arouca concedia entrevista após fazer um gol pelo Santos contra o Mogi Mirim, partida do campeonato paulista, quando também foi chamado de macaco. Depois do episódio, o atleta gravou um vídeo e publicou uma nota condenando os xingamentos racistas.

“Tenho a pele negra, cabelo afro e visto o mesmo manto branco que vestia o rei [Pelé]. Carrego orgulho no peito e sou muito grato a Deus por tudo isso”, afirmou no vídeo, se referindo à sua careira e aos títulos conquistados.

Segundo a presidenta, a Copa do Mundo deste ano será um evento pela paz e contra o racismo. “Estou convidando líderes religiosos do mundo a enviarem manifestações contra o racismo e pela paz”, escreveu em sua conta pessoal no Twitter, após informar que combinou com a Organização das Nações Unidas e com a Federação Internacional de Futebol (Fifa) para que campeonato mundial sirva para combater o preconceito.

“Márcio e Arouca têm toda a minha solidariedade, assim como de todos os brasileiros. É inadmissível que o Brasil, a maior nação negra fora da África, conviva com cenas de racismo”, declarou Dilma, que já tinha se manifestado contra o racismo sofrido pelo jogador Tinga.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email