Advogados são presos acusados de cobrar para ‘comprar’ decisão

A Polícia Federal prendeu dois advogados acusados de cobrar R$ 200 mil para influenciar na decisão judicial da liberação de um casal acusado do assassinato de um advogado; eles foram presos no momento da entrega de parte do dinheiro; todos os passos do caso estavam sendo acompanhados pelos federais

A Polícia Federal prendeu dois advogados acusados de cobrar R$ 200 mil para influenciar na decisão judicial da liberação de um casal acusado do assassinato de um advogado; eles foram presos no momento da entrega de parte do dinheiro; todos os passos do caso estavam sendo acompanhados pelos federais
A Polícia Federal prendeu dois advogados acusados de cobrar R$ 200 mil para influenciar na decisão judicial da liberação de um casal acusado do assassinato de um advogado; eles foram presos no momento da entrega de parte do dinheiro; todos os passos do caso estavam sendo acompanhados pelos federais (Foto: Voney Malta)

Alagoas247 - Agentes da Polícia Federal prenderam, na tarde desta quinta-feira (26), dois advogados e um motorista acusados de cobrar R$ 200 mil para influenciar na decisão judicial da possível soltura do casal Janadaris Sfredo e Sérgio Sfredo, acusado na morte do advogado Marcos André Deus de Félix, em março de 2014, na Praia do Francês, em Marechal Deodoro. 

De acordo com a assessoria da Polícia Federal, o setor de inteligência da PF começou a atuar no caso após Janadaris denunciar que os advogados Júlio César e Augusto Granjeiro teriam prometido vencer a causa se tivessem acesso ao montante, que garantiria decisão favorável no pedido de habeas corpus junto ao Poder Judiciário. O nome do motorista preso não foi divulgado. 

Conforme o acordo, R$ 100 mil seriam pagos, nesta tarde, em um posto de combustíveis localizado na entrada da Praia do Francês, enquanto o restante do dinheiro seria entregue somente após o anúncio decisão judicial.

Ainda segundo a polícia, com o trio, foram encontrados R$ 100 mil em espécie, valor que seria fruto da primeira parte do acordo. Os presos e o material apreendido foram levados para a sede da Superintendência da Polícia Federal, no bairro Jaraguá, em Maceió. 

Ainda de acordo com a assessoria da PF, os agentes federais realizaram diligências e acompanharam a entrega do dinheiro no local e horário marcados. Os acusados serão indiciados pelo crime de exploração de prestígio, na forma qualificada, pois, alegavam que os valores seriam destinados a integrantes do Poder Judiciário. Para este tipo de crime, a legislação prevê pena de até sete anos de prisão. 

A Comissão de Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas, por sua vez, esteve representada na superintendência da PF, acompanhando todos os procedimentos.

Com gazetaweb.com

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247