Aécio ataca "contabilidade criativa" de Dilma

No ataque, senador mineiro critica "manobras fiscais" e a mudança das regras do setor elétrico, dizendo que "palavras não enchem reservatórios"; segundo o presidenciável tucano, queda na credibilidade do governo já afasta investimentos e coloca em risco a "herança bendita" da estabilidade econômica; é guerra?

Aécio ataca "contabilidade criativa" de Dilma
Aécio ataca "contabilidade criativa" de Dilma
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Aécio Neves foi à guerra. Além da coluna semanal na Folha, em que tem feito críticas constantes à condução da economia, ele agora ocupa uma página no jornal O Globo para criticar a "contabilidade criativa" do governo Dilma. Assessorado por economistas como Pedro Malan e Armínio Fraga, que fizeram parte da equipe do Plano Real, Aécio tenta adensar seu discurso de presidenciável em torno de questões econômicas.

O mote, para o novo ataque, é a suposta "contabilidade criativa" do governo Dilma. "A irresponsabilidade fiscal praticada ganhou um nome irônico: contabilidade criativa", diz ele, que acusa a gestão federal de "gastar muito e gastar mal". Aécio critica o uso de R$ 12,4 bilhões do Fundo Soberano para fechar as metas de superávit fiscal. "O conjunto de operações atípicas traz à tona uma questão extremamente relevante. Maquinando sua prestação de contas e manejando margens para conseguir se aproximar dos resultados planejados, o governo fragiliza ainda mais a já combalida credibilidade".

No artigo, Aécio acusa Dilma de governar "sob o regime do improviso" – e sem nenhum diálogo com a sociedade ou mesmo com a sua base de apoio. Um dos focos de sua crítica é a mudança nas regras do setor elétrico – sancionada ontem, a renovação de concessões deve permitir uma redução de 20% das contas de luz. "Lembro que dias atrás o governo federal tachou como "ridícula" a hipótese de racionamento de energia. Mas, como palavras não enchem reservatórios, sob as sombras do constrangimento, reuniu-se essa semana uma preocupada equipe de governo para evitar justamente o problema que afirmavam não existir".

Segundo o presidenciável tucano, as ações do governo Dilma afugentam investidores e colocam em risco a "herança bendita" da estabilidade econômica, que, segundo ele, teria sido legada pelo PSDB. 2014 começou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email