Aécio ironiza pedido do PT: 'vão aprender como se faz campanha correta'

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, minimizou nesta terça (27) o pedido do PT para que o Tribunal Superior Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral investiguem irregularidades apontados pelo partido em sua prestação de contas na disputa pela presidência em 2014; "Eu acho que é muito produtivo que o PT possa se aprofundar na análise das nossas contas, porque vai ser pedagógico. Eles vão aprender como se faz uma campanha correta, transparente, para que não passem mais pelo constrangimento que estão passando hoje de ter as contas da presidente investigadas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Todas as nossas respostas estão na nota", disse

O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, minimizou nesta terça (27) o pedido do PT para que o Tribunal Superior Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral investiguem irregularidades apontados pelo partido em sua prestação de contas na disputa pela presidência em 2014; "Eu acho que é muito produtivo que o PT possa se aprofundar na análise das nossas contas, porque vai ser pedagógico. Eles vão aprender como se faz uma campanha correta, transparente, para que não passem mais pelo constrangimento que estão passando hoje de ter as contas da presidente investigadas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Todas as nossas respostas estão na nota", disse
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, minimizou nesta terça (27) o pedido do PT para que o Tribunal Superior Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral investiguem irregularidades apontados pelo partido em sua prestação de contas na disputa pela presidência em 2014; "Eu acho que é muito produtivo que o PT possa se aprofundar na análise das nossas contas, porque vai ser pedagógico. Eles vão aprender como se faz uma campanha correta, transparente, para que não passem mais pelo constrangimento que estão passando hoje de ter as contas da presidente investigadas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Todas as nossas respostas estão na nota", disse (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, minimizou nesta terça-feira (27) o pedido do PT para que o Tribunal Superior Eleitoral e o Ministério Público Eleitoral investiguem irregularidades apontados pelo partido em sua prestação de contas na disputa pela presidência em 2014.

"Eu acho que é muito produtivo que o PT possa se aprofundar na análise das nossas contas, porque vai ser pedagógico. Eles vão aprender como se faz uma campanha correta, transparente, para que não passem mais pelo constrangimento que estão passando hoje de ter as contas da presidente investigadas pelo Tribunal Superior Eleitoral. Todas as nossas respostas estão na nota", disse.

Em nota, o PSDB afirmou que o PT "não aponta uma única ilegalidade na prestação de contas do candidato Aécio Neves. Pelo contrário, as questões levantadas não se sustentam, tratando-se apenas de uma tentativa de confundir a opinião pública e tirar o foco das gravíssimas suspeições que recaem hoje sobre a campanha da presidente Dilma Rousseff e o PT".

Sobre os recibos, o partido afirma que "trata-se de um erro formal constatado pela própria campanha a partir de uma auditoria interna realizada por iniciativa do PSDB, que identificou uma falha no sistema de lançamentos realizados em planilha Excel, como demonstrado ao TSE. Tal falha encadeou uma sequência de erros percebidos na prestação de contas e devidamente corrigidos. "A falha ocorrida não gerou qualquer modificação de valores contábeis, não tendo havido, portanto, nenhuma alteração nos valores de receitas ou de despesas nas contas do Comitê Financeiro ou do candidato", completou. O PSDB afirmou ainda que "inexistiram quaisquer depósitos em dinheiro na conta de campanha do candidato Aécio Neves", conforme alegou o PT.

Os petistas também haviam apontado, entre as supostas irregularidades, um depósito em dinheiro de R$ 1,2 milhão, efetuado pelo Comitê Financeiro Nacional (em 19 de novembro de 2014) e que tem como beneficiário o próprio comitê.

"Como demonstra o extrato bancário, houve um erro da agência bancária que identificou, em 19 de novembro de 2014, como doador para o Comitê Financeiro o CNPJ do próprio Comitê Financeiro (20.558.161/0001-02). Identificado esse erro, houve estorno do valor de R$ 1.200.00,00 no mesmo dia e, em seguida, foi efetuado novo crédito com a identificação do real doador, ou seja, pelo CPF do senador Tasso Jereissati", explica a nota tucana.

O PSDB também respondeu a acusação de que houve utilização indevida de servidores públicos no gabinete do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), candidato a vice de Aécio. "Os mesmos se encontravam de férias durante o período de campanha eleitoral, sendo que suas atividades após o período de férias se restringiram a funções de assessoria parlamentar", diz a nota.

Leia aqui sobre o pedido do PT.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247