Aécio se une a Marina em defesa de novos partidos

"O que não aceitamos é o casuísmo do governo federal, seu rolo compressor da maioria, que age como se temesse a disputa eleitoral. Isso só demonstra que a presidente [Dilma] tem um enorme temor de quem vai enfrentar nas próximas eleições", provocou o presidenciável tucano, que compõe movimento suprapartidário para tentar barrar no Senado a aprovação da proposta que dificulta a criação de partidos, como o Rede Sutentabilidade, de Marina Silva

Aécio se une a Marina em defesa de novos partidos
Aécio se une a Marina em defesa de novos partidos
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Pré-candidato do PSDB à Presidência em 2014, o senador Aécio Neves uniu esforços nesta terça-feira com outra potencial candidata, a ex-senadora Marina Silva, contra a aprovação do projeto que inibe a criação de novos partidos. Marina, que tenta viabilizar sua Rede Sustentabilidade, e senadores contrários ao projeto lançaram um movimento suprapartidário para tentar barrar no Senado a aprovação da proposta, que já foi aprovada em grande parte na Câmara.

Aécio disse que o governo usa "dois pesos e duas medidas" para a questão, já que apoiou a criação do PSD, composto por parlamentares que eram da oposição e que devem ingressar na base de apoio do governo. "O que não aceitamos é o casuísmo do governo federal, seu rolo compressor da maioria, que age como se temesse a disputa eleitoral. Isso só demonstra que a presidente tem um enorme temor de quem vai enfrentar nas próximas eleições", provocou.

Além de Marina e Aécio, o movimento é integrado representantes do PSB, PMDB, PDT e PSDB. Eles defendem que as regras que prejudicam novas siglas entrem em vigor somente depois das eleições de 2014. Para tanto, eles querem que, depois de passar pela Câmara, o projeto não seja analisado com urgência pelos senadores. "A presidente não precisa disso", disse Marina, fazendo menção à tentativa de Dilma de se reeleger em 2014.

"Ela tem um partido forte, tem ao seu lado quase todos os outros partidos, 39 ministérios, o PAC, o Bolsa Família, o [senador] José Sarney e o [presidente do Congresso] Renan Calheiros. Não sei porque ser contra 30 segundos na TV de uma força política que está começando agora. Talvez eles saibam de coisas que não sabemos", disparou a presidenciável.

"Ditadura"

O movimento suprapartidário estuda até recorrer ao Supremo Tribunal Federal para derrubar a aprovação do projeto. "Não imaginei que o PT ia usar o mesmo punhal enferrujado que eles [militares] usaram para ferir o Lula na época da criação do PT contra um grupo que tem direito de se expressar e se organizar", criticou Marina.

Presidente do futuro MD, o deputado Roberto Freire (SP) também comparou as articulações do Planalto às ações da ditadura para sufocar a democracia. "A presidente Dilma está patrocinando tudo isso. A ditadura só era pior porque fechava o Congresso. Mas estamos vivendo um novo pacote de abril", disse.

O projeto que está na Câmara prevê que novas siglas ficarão sem amplo acesso ao fundo partidário e ao tempo de televisão no horário eleitoral. Além da Rede, de Marina, a Mobilização Democrática  pode ser afetada pela nova regra. A nova sigla negocia apoio a Eduardo Campos em 2014.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247