Aécio transportou Civita, Huck & Cia nas asas de MG

Nos anos em que foi governador de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) transportou, de graça, em aeronaves do estado, ou seja, com o dinheiro dos contribuintes mineiros, barões da mídia, como Roberto Civita, dono da Abril já falecido, e seus amigos, como o apresentador Luciano Huck, da Globo; outros que usaram os serviços da "AeroAécio", sem desembolsar um centavo, foram Ricardo Teixeira, ex-CBF, Maria Antonia Civita, esposa de Roberto, Sandy & Júnior, José Bonifácio Sobrinho, o Boni, e o ator Milton Gonçalves; cessão não onerosa das aeronaves contraria a lei e justifica improbidade administrativa; Aécio, que há um ano tumultua a vida política e econômica do País com sua obsessão golpista, diz que os voos "atenderam a interesses do Estado"

www.brasil247.com - Nos anos em que foi governador de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) transportou, de graça, em aeronaves do estado, ou seja, com o dinheiro dos contribuintes mineiros, barões da mídia, como Roberto Civita, dono da Abril já falecido, e seus amigos, como o apresentador Luciano Huck, da Globo; outros que usaram os serviços da "AeroAécio", sem desembolsar um centavo, foram Ricardo Teixeira, ex-CBF, Maria Antonia Civita, esposa de Roberto, Sandy & Júnior, José Bonifácio Sobrinho, o Boni, e o ator Milton Gonçalves; cessão não onerosa das aeronaves contraria a lei e justifica improbidade administrativa; Aécio, que há um ano tumultua a vida política e econômica do País com sua obsessão golpista, diz que os voos "atenderam a interesses do Estado"
Nos anos em que foi governador de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves (PSDB-MG) transportou, de graça, em aeronaves do estado, ou seja, com o dinheiro dos contribuintes mineiros, barões da mídia, como Roberto Civita, dono da Abril já falecido, e seus amigos, como o apresentador Luciano Huck, da Globo; outros que usaram os serviços da "AeroAécio", sem desembolsar um centavo, foram Ricardo Teixeira, ex-CBF, Maria Antonia Civita, esposa de Roberto, Sandy & Júnior, José Bonifácio Sobrinho, o Boni, e o ator Milton Gonçalves; cessão não onerosa das aeronaves contraria a lei e justifica improbidade administrativa; Aécio, que há um ano tumultua a vida política e econômica do País com sua obsessão golpista, diz que os voos "atenderam a interesses do Estado" (Foto: Leonardo Attuch)


Minas 247 – Graças à Lei de Acesso à Informação, os contribuintes mineiros saberão o uso que foi dado, pelo governo de Minas Gerais, às aeronaves oficiais, nos anos em que o estado foi governado pelos tucanos Aécio Neves (PSDB-MG) e Antonio Anastasia (PSDB-MG), ambos senadores.

Nos oito anos de governo Aécio, houve nada menos que 198 voos sem autoridades oficiais a bordo. Com Anastasia, foram 60 voos sem o governador ou ou autoridades cuja legislação autoriza o voo – ou seja, ambos contrariaram a lei, configurando atos de improbidade administrativa. Os dados foram obtidos pelos repórteres Ranier Bragon e Aguirre Talento, que recorreram à Lei de Acesso à Informação e publicam reportagem na edição deste domingo da Folha de S. Paulo.

O mais surpreendente, no entanto, é a lista de passageiros. Nos 12 anos de governo tucano, a "AeroAécio" transportou barões da mídia e amigos pessoais de Aécio.

Em 2010, por exemplo, Aécio cedeu o helicóptero oficial para que Roberto Civita, ex-presidente da Abril, já falecido, e sua esposa Maria Antonia visitassem o Museu de Inhotim, no interior de Minas Gerais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Outro passageiro da "AeroAécio" foi o apresentador Luciano Huck, da Globo, que usou aviões oficiais para viajar ao interior de Minas – num dos voos, viajou acompanhado da dupla sertaneja Sandy & Júnior.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Também passageiro frequente, quase com direito a cartão fidelidade, Ricardo Teixeira, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, usou três vezes o helicóptero oficial e três vezes o jato para se deslocar entre Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Também voaram nas asas do contribuinte mineiro o ator Milton Gonçalves e o empresário José Bonifácio Sobrinho, o Boni, que foi um dos homens-forte da Globo.

"Interesses do Estado"

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Questionado pela reportagem, Aécio respondeu por meio de sua assessoria e disse que todos os voos "atenderam a interesses da administração do Estado".

Em relação ao caso Civita, por exemplo, ele afirmou que era importante apresentar o Museu Inhotim a um dos empresários de comunicação do País, como se Civita, bilionário, não pudesse se deslocar com seus próprios recursos. No caso de Huck, Aécio disse que a cessão do avião se justificou para que fosse divulgado o roteiro da Estrada Real.

É Aécio o personagem "moralista" que, há mais de um ano, vem tumultuando a vida política e econômica do País, com sua obsessão golpista, desde que foi derrotado nas eleições presidenciais de 2014.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email