AL tem mais de 19 mil registros de violência contra criança e adolescente

Segundo o Fórum de Conselheiros Tutelares de Alagoas, de janeiro até hoje foram registrados mais de 19 mil casos de violência contra crianças e adolescentes; as situações mais comuns são abandono, espancamento, trabalho infanto-juvenil, cárcere privado, ameaças, exploração e abuso sexual; no Estado existem, atualmente, 116 Conselhos Tutelares e odos os 102 municípios do estado possuem pessoas que trabalham diretamente com a proteção dos direitos dos menores

Segundo o Fórum de Conselheiros Tutelares de Alagoas, de janeiro até hoje foram registrados mais de 19 mil casos de violência contra crianças e adolescentes; as situações mais comuns são abandono, espancamento, trabalho infanto-juvenil, cárcere privado, ameaças, exploração e abuso sexual; no Estado existem, atualmente, 116 Conselhos Tutelares e odos os 102 municípios do estado possuem pessoas que trabalham diretamente com a proteção dos direitos dos menores
Segundo o Fórum de Conselheiros Tutelares de Alagoas, de janeiro até hoje foram registrados mais de 19 mil casos de violência contra crianças e adolescentes; as situações mais comuns são abandono, espancamento, trabalho infanto-juvenil, cárcere privado, ameaças, exploração e abuso sexual; no Estado existem, atualmente, 116 Conselhos Tutelares e odos os 102 municípios do estado possuem pessoas que trabalham diretamente com a proteção dos direitos dos menores (Foto: Voney Malta)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Alagoas 247 - De janeiro até hoje, Alagoas registrou mais de 19 mil casos de violência contra crianças e adolescentes. Em 2016, foram contabilizados 36.561 crimes contra os menores em todo o estado. De acordo com o Fórum de Conselheiros Tutelares de Alagoas, as situações mais comuns são abandono, espancamento, trabalho infanto-juvenil, cárcere privado, ameaças, exploração e abuso sexual. 

"Um fato que vem chamando a nossa atenção é a quantidade de casos de abuso sexual envolvendo familiares. Na maioria das vezes, são pessoas de dentro da própria casa ou parentes muito próximos. Infelizmente, temos visto avançar o número de padrastos envolvidos na violência contra as crianças e os adolescentes", observou o presidente do Fórum, José Edmilson Souza.

Ele chama a atenção para os casos noticiados recentemente pela mídia. "É inadmissível situações como estas. Saber da conivência e participação da própria mãe de uma criança durante o estupro de uma filha é um absurdo", disse indignado.

Edmilson Souza informou que outra situação que tem preocupado os conselheiros é o turismo sexual. "Embora, o número de casos seja ainda pequeno, isso é preocupante. Temos, na verdade, o receio que este tipo de crimes esteja sendo subnotificado. Por isso estamos atentos", afirmou.

O Conselheiro Tutelar falou ainda sobre a importância de denunciar os casos de violência contra as crianças e os adolescentes. "Existem vários mecanismos para isso. As pessoas podem entrar em contato direto com os conselhos tutelares das cidades onde vivem, ou ainda ligar para o Disque 100 e fazer a denúncia de maneira anônima", explica.

O presidente contou que o Fórum tem acompanhado de perto as investigações dos casos. "Após a denúncia chegar até a gente, nós encaminhamos os casos para as delegacias e para o Ministério Público. É preciso que todos os envolvidos em crimes contra crianças e adolescentes sejam identificados e punidos", enfatizou. 

Em Alagoas, existem, atualmente, 116 Conselhos Tutelares. Todos os 102 municípios do estado possuem pessoas que trabalham diretamente com a proteção dos direitos dos menores. Em Maceió são 10 equipes. As cidades de Arapiraca, Rio Largo, Piranhas, Campo Alegre e Delmiro Gouveia contam com duas equipes cada, e todas as outras cidades com um grupo.

Com gazetaweb.com

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247