Alagoas lidera mortes de jovens de 16 e 17 anos

De acordo com estudo "Mapa da Violência: Adolescentes de 16 e 17 anos" do Brasil, Alagoas lidera o ranking de adolescentes vítimas de homicídios em 2013; a região mais violenta é o Nordeste, seguida pelo Centro-Oeste; maioria das vítimas é do sexo masculino (93%); proporcionalmente, morreram quase três vezes mais negros do que brancos

De acordo com estudo "Mapa da Violência: Adolescentes de 16 e 17 anos" do Brasil, Alagoas lidera o ranking de adolescentes vítimas de homicídios em 2013; a região mais violenta é o Nordeste, seguida pelo Centro-Oeste; maioria das vítimas é do sexo masculino (93%); proporcionalmente, morreram quase três vezes mais negros do que brancos
De acordo com estudo "Mapa da Violência: Adolescentes de 16 e 17 anos" do Brasil, Alagoas lidera o ranking de adolescentes vítimas de homicídios em 2013; a região mais violenta é o Nordeste, seguida pelo Centro-Oeste; maioria das vítimas é do sexo masculino (93%); proporcionalmente, morreram quase três vezes mais negros do que brancos (Foto: Voney Malta)

Alagoas247 - Alagoas lidera o ranking de adolescentes de 16 e 17 anos vítimas de homicídios em 2013, segundo o estudo "Mapa da Violência: Adolescentes de 16 e 17 anos" do Brasil, divulgado nesta segunda-feira (29) em Brasília. A taxa do estado é de 147 para cada 100 mil habitantes. 

Os maiores índices de violência estão no Nordeste, com uma taxa de 73,3 jovens mortos a cada 100 mil, e Centro-Oeste, com 65,3. Nos estados, lideram esse ranking Alagoas, Espírito Santo e Ceará. As menores taxas estão em Tocantins, Santa Catarina e São Paulo.

Foram 3.749 jovens nessa faixa etária vítimas de homicídios, 46% do total de 8.153 óbitos, diz o estudo de autoria do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz. A média é de 10,3 adolescentes assassinados por dia no país. As outras causas foram acidentes de transporte (13,9%) e suicídios (3,5%).

A projeção é que 3.816 serão mortos em 2015, diz o autor, e a metade dessas mortes seja por homicídio.

Esse tipo de causa externa (mortes que não são de causas naturais) aumentou 496% em relação a 1980, quando o homicídio representava apenas 9,7% do total de mortes.

Em comparação às outras causas, nesse mesmo período os suicídios aumentaram 45,5% e os acidentes de transporte cresceram 38,3%.

Na faixa de 16 e 17 anos, a taxa de mortalidade ficou em 54,1 homicídios por 100 mil adolescentes em 2013, um aumento de 2,7% em relação a 2012 e de 38,3% na década.

O Brasil ocupa o 3º lugar em relação a 85 países no ranking de mortes de adolescentes de 15 a 19 anos, perdendo apenas para México e El Salvador. São 54,9 mortes a cada 100 mil jovens.

Perfil
A maioria das vítimas é do sexo masculino (93%) com quatro até sete anos de estudo (62,1%). Proporcionalmente, morreram quase três vezes mais negros do que brancos.
O principal instrumento utilizado nas agressões foi a arma de fogo, presente em 81,9% dos homicídios de adolescentes de 16 anos e em 84,1% dos de 17 anos. Em seguida estão instrumentos cortantes, como facas e estiletes, com 10%.

Regiões
No Rio Grande do Norte, Ceará e Roraima, as taxas mais que quadruplicam na década. São Paulo, Pernambuco e Rio de Janeiro tiveram redução.

As maiores taxas de homicídio entre adolescentes de 16 e 17 anos nas cidades estão na Bahia: Simões Filho, Lauro de Freitas e Porto Seguro.

No Maranhão está o maior índice de vitimização de negros: 1.188%. Isso siginifica que, proporcionalmente, morrem 13 negros por cada branco naquele estado. Em seguida, aparecem a Bahia, com 12 negros por cada branco; Sergipe e Alagoas, com taxas de nove negros por cada branco.

Os dados utilizados estão no Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde.

Com gazetaweb.com

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247