Alckmin fecha bicicletários de estações do metrô

Ciclistas que chegam à estação Santa Cecília, da Linha 3-Vermelha do Metrô, paulista se deparam com o bicicletário fechado; o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu trocar os espaços cercados por paraciclos, alegando redução de custo e pouco uso dos bicicletários; no final de agosto, o espaço para bicicletas da estação Vila Madalena, da Linha 2-Verde, também foi fechado. As estações Brás (Linha 3-Vermelha), Liberdade e Paraíso (Linha 1-Azul) também tiveram seus bicicletários fechados esse ano

Ciclistas que chegam à estação Santa Cecília, da Linha 3-Vermelha do Metrô, paulista se deparam com o bicicletário fechado; o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu trocar os espaços cercados por paraciclos, alegando redução de custo e pouco uso dos bicicletários; no final de agosto, o espaço para bicicletas da estação Vila Madalena, da Linha 2-Verde, também foi fechado. As estações Brás (Linha 3-Vermelha), Liberdade e Paraíso (Linha 1-Azul) também tiveram seus bicicletários fechados esse ano
Ciclistas que chegam à estação Santa Cecília, da Linha 3-Vermelha do Metrô, paulista se deparam com o bicicletário fechado; o governador Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu trocar os espaços cercados por paraciclos, alegando redução de custo e pouco uso dos bicicletários; no final de agosto, o espaço para bicicletas da estação Vila Madalena, da Linha 2-Verde, também foi fechado. As estações Brás (Linha 3-Vermelha), Liberdade e Paraíso (Linha 1-Azul) também tiveram seus bicicletários fechados esse ano (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rede Brasil Atual - Ciclistas que chegaram hoje à estação Santa Cecília, da Linha 3-Vermelha do Metrô, paulista se depararam com o bicicletário fechado. O governo Geraldo Alckmin decidiu trocar os espaços cercados por paraciclos, alegando redução de custo e pouco uso dos bicicletários. No final de agosto, o espaço para bicicletas da estação Vila Madalena, da Linha 2-Verde, também foi fechado. As estações Brás (Linha 3-Vermelha), Liberdade e Paraíso (Linha 1-Azul) também tiveram seus bicicletários fechados esse ano.

Embora alegue falta de uso, informações de organizações de ciclistas dão conta de que o bicicletário da estação Santa Cecília, com 18 vagas, tinha bom uso, chegando a ficar lotado algumas vezes durante a semana. Os usuários consideram os paraciclos inseguros para uma permanência por longo tempo das bicicletas. Segundo o Metrô, não haverá funcionários para fiscalizar o uso.

Para Rafael Calabria, especialista em mobilidade urbana e membro do Conselho Municipal de Trânsito e Transportes de São Paulo, a medida vai na contramão de tudo que se discutiu nos últimos anos em mobilidade para a capital paulista. "Viola todas as políticas de mobilidade urbana vigentes no país. A integração é boa para ambos os tipos de transporte, a bicicleta e o Metrô. Os paraciclos não substituem o bicicletário. Este é para uma parada rápida, um compromisso pontual. O bicicletário serve para paradas de eventos diários, frequentes, para um sistema de transporte mais amplo", afirmou.

Agora o metrô mantêm bicicletários em apenas nove estações, das 63 existentes. "É um baita desestímulo. A justificativa de pouco uso não faz sentido. Santa Cecília muitas vezes superava a lotação. E se fosse baixo uso tem de entender por que, melhorar a visibilidade, orientar. Não se pode entender bicicletário como custo, mas como investimento, está barateando outros meios de transporte. É uma visão muito retrógrada", criticou Calabria.

Em nota, o Metrô informou que "incentiva o transporte por meio de bicicleta como complemento ao de massa". A empresa disse manter ainda 600 vagas para estacionamento de bicicletas. Sobre o fechamento de bicicletários, a companhia informou que a medida é para "adequar a utilização dos equipamentos em função da demanda de usuários do serviço, otimizando os custos de manutenção dos espaços", que, de acordo com o Metrô, custaram R$ 1,4 milhão no ano passado.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247