Alckmin pede R$ 3,5 bilhões para Dilma contra a seca

Governador de São Paulo vai a Brasília e, em reunião com a presidente, pede R$ 3,5 bilhões para dar andamento a oito obras de infraestrutura para abastecimento de água; algumas já ficarão prontas em 2015, assegura Geraldo Alckmin (PSDB); outras, apenas daqui a três anos; ele voltou a rechaçar necessidade de racionamento; "São Paulo enfrenta esta que é a pior seca dos últimos 84 anos com planejamento, com obra e com uso racional da água", afirmou; e negou que já tenha rejeitado ajuda do governo federal; nova reunião está marcada para segunda-feira, quando secretários de Alckmin detalharão as obras

www.brasil247.com - Governador de São Paulo vai a Brasília e, em reunião com a presidente, pede R$ 3,5 bilhões para dar andamento a oito obras de infraestrutura para abastecimento de água; algumas já ficarão prontas em 2015, assegura Geraldo Alckmin (PSDB); outras, apenas daqui a três anos; ele voltou a rechaçar necessidade de racionamento; "São Paulo enfrenta esta que é a pior seca dos últimos 84 anos com planejamento, com obra e com uso racional da água", afirmou; e negou que já tenha rejeitado ajuda do governo federal; nova reunião está marcada para segunda-feira, quando secretários de Alckmin detalharão as obras
Governador de São Paulo vai a Brasília e, em reunião com a presidente, pede R$ 3,5 bilhões para dar andamento a oito obras de infraestrutura para abastecimento de água; algumas já ficarão prontas em 2015, assegura Geraldo Alckmin (PSDB); outras, apenas daqui a três anos; ele voltou a rechaçar necessidade de racionamento; "São Paulo enfrenta esta que é a pior seca dos últimos 84 anos com planejamento, com obra e com uso racional da água", afirmou; e negou que já tenha rejeitado ajuda do governo federal; nova reunião está marcada para segunda-feira, quando secretários de Alckmin detalharão as obras (Foto: Gisele Federicce)


SP 247 – A fim de evitar danos maiores pela pior crise hídrica dos últimos 84 anos em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) se reuniu na tarde desta segunda-feira 10 com a presidente Dilma Rousseff, a quem pediu R$ 3,5 bilhões para financiar oito obras de abastecimento de água no estado.

Segundo ele, algumas obras começarão a ficar prontas já no ano que vem, outras apenas daqui a três anos. Ele voltou a dizer que não haverá necessidade de racionamento, pois São Paulo tem enfrentado a seca com "planejamento, com obra e com uso racional de água".

"São Paulo enfrenta esta que é a pior seca dos últimos 84 anos com planejamento, com obra e com uso racional da água", afirmou. Segundo o governador, "temos um sistema extremamente forte. As obras para amanhã já estão sendo feitas".

Alckmin também declarou que não é verdade que ele tenha recusado ajuda do governo federal para enfrentar o problema. Ele ressaltou que nesses quatro anos do governo da presidente Dilma, os dois já realizaram diversas parcerias.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Ele afirmou que há cada vez mais obras para que o estado seja menos dependente da água do Sistema Cantareira, principal reservatório da região metropolitana de São Paulo e que registra o nível mais crítico nessa seca.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo as ministras do Planejamento, Miriam Belchior, e do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que também estiveram na reunião, Dilma pediu ao governador que detalhe as obras anunciadas hoje. Isso acontecerá em uma reunião marcada para a próxima segunda-feira entre as ministras e secretários do governo estadual.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A tentativa de solução para a crise hídrica abre uma janela de diálogo entre o PT e o PSDB, partidos que se digladiaram na disputa presidencial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email