Alckmin peita PSDB e vai prestigiar posse de Dilma

Alheio ao esperneio da cúpula do PSDB, que virou motivo de piada nas redes sociais ao pedir ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que diplomasse Aécio Neves ao invés de Dilma Rousseff, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, deve prestigiar a posse da presidente, no dia 1°; Alckmin é empossado para mais quatro anos à frente do governo de São Paulo e embarca para Brasília; cotado até por Aécio Neves como o principal no nome do partido para disputar a presidência da República em 2018, Alckmin é o principal defensor de uma oposição menos "raivosa" ao segundo governo Dilma

Brasília- DF- Brasil- 04/12/2014- O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a presidenta Dilma Rousseff e governador Geraldo Alckmin durante assinatura de contratos de infraestrutura urbana com o Governo de São Paulo. (José Cruz/Agência Brasil)
Brasília- DF- Brasil- 04/12/2014- O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a presidenta Dilma Rousseff e governador Geraldo Alckmin durante assinatura de contratos de infraestrutura urbana com o Governo de São Paulo. (José Cruz/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), deu mais uma demonstração de que não está interessado em participar do "terceiro turno", defendido pelo seu partido sobre o resultado das eleições presidenciais. 

Alheio ao esperneio da cúpula do PSDB, que virou motivo de piada nas redes sociais ao pedir ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que diplomasse Aécio Neves ao invés de Dilma Rousseff, o governador Geraldo Alckmin deve prestigiar a posse da presidente, no dia 1°. Alckmin é empossado para mais quatro anos à frente do governo de São Paulo e embarca para Brasília.

Geraldo Alckmin é o principal líder do PSDB a defender uma oposição menos "raivosa" ao governo federal. Ele foi o primeiro tucano de peso a reconhecer o resultado das eleições de outubro e procurar estabelecer uma relação institucional com a presidente. No dia 4 de dezembro, Alckmin e Dilma assinaram contrato no valor de R$ 2,6 bilhões para construção de um novo sistema de abastecimento de água para a região metropolitana da capital paulista (leia mais).

Geraldo Alckmin é cotado como o principal no nome do partido para disputar a presidência da República em 2018. O reconhecimento foi feito pelo próprio senador Aécio Neves, nesta segunda-feira, 22. "O governador de São Paulo é um nome colocado e tem todas as condições", disse Aécio (leia mais).

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247