Alta no preço da cesta básica faz entidade promover campanha para substituir arroz por macarrão

O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro, sugeriu "promover o macarrão" para substituir o arroz nesta fase de crise. Enquanto os preços do arroz subiram quase 20% desde o início do ano, a massa semipreparada teve um aumento de 1,79% nos preços, de acordo com os dados do IBGE

Mulher faz compras em supermercado de São Paulo
Mulher faz compras em supermercado de São Paulo (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Sputnik - O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, após reunião com o presidente Jair Bolsonaro na última quarta-feira (9), sugeriu "promover o macarrão" para substituir o arroz nesta fase de crise.

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) anunciou na última quarta-feira (9) a redução a zero da alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado. A isenção tarifária valerá até 31 de dezembro deste ano.

O presidente da Abras afirmou que não há prazo para que o preço do produto seja reduzido para os consumidores, acrescentando que deve ser realizada uma campanha para que o brasileiro substitua o arroz pelo macarrão.

Vamos estar promovendo o consumo de massa, macarrão, que é o substituto do arroz. E vamos orientar o consumidor que não estoque [arroz]", disse Sanzovo após a reunião com Bolsonaro, em Brasília.

Enquanto os preços do arroz subiram quase 20% desde o início do ano, a massa semipreparada teve um aumento de 1,79% nos preços desde janeiro, de acordo com os dados do IBGE.

Sanzovo Neto atribuiu o problema da inflação da cesta básica à lei do mercado, afirmando que houve um excesso de demanda e falta de oferta, fazendo com que a falta do arroz aumentasse o preço do produto.

"É a lei de mercado, é oferta e procura. Se você tem menos produtos sendo ofertados, e no caso foi exportado, muitos dos nossos produtos estão sendo exportados, o produtor prefere exportar porque o câmbio está alto e tem uma receita maior do seu produto", argumentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email