Ana quer rompimento da aliança PT-PMDB em Sergipe

A vice-presidente do PT, deputada estadual Ana Lúcia Menezes, afirmou ao 247 que é contrária a manutenção da aliança entre o seu partido e o PMDB em Sergipe; “Não podemos ficar com aliados que nos traíram”, disse; para ela, faltou empenho do governador Jackson Barreto (PMDB) na luta contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT); "Não podemos ficar com aliados que nos traíram. O governador Jackson Barreto foi o único governador que não conseguiu reverter nenhum voto", frisou; ela se disse contrária a uma aliança entre PT e PMDB em apoio à pré-candidatura de Zezinho Sobral a prefeito de Aracaju

A vice-presidente do PT, deputada estadual Ana Lúcia Menezes, afirmou ao 247 que é contrária a manutenção da aliança entre o seu partido e o PMDB em Sergipe; “Não podemos ficar com aliados que nos traíram”, disse; para ela, faltou empenho do governador Jackson Barreto (PMDB) na luta contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT); "Não podemos ficar com aliados que nos traíram. O governador Jackson Barreto foi o único governador que não conseguiu reverter nenhum voto", frisou; ela se disse contrária a uma aliança entre PT e PMDB em apoio à pré-candidatura de Zezinho Sobral a prefeito de Aracaju
A vice-presidente do PT, deputada estadual Ana Lúcia Menezes, afirmou ao 247 que é contrária a manutenção da aliança entre o seu partido e o PMDB em Sergipe; “Não podemos ficar com aliados que nos traíram”, disse; para ela, faltou empenho do governador Jackson Barreto (PMDB) na luta contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT); "Não podemos ficar com aliados que nos traíram. O governador Jackson Barreto foi o único governador que não conseguiu reverter nenhum voto", frisou; ela se disse contrária a uma aliança entre PT e PMDB em apoio à pré-candidatura de Zezinho Sobral a prefeito de Aracaju (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Valter Lima, do Sergipe 247 - A vice-presidente do PT, deputada estadual Ana Lúcia Menezes, afirmou ao 247 que é contrária a manutenção da aliança entre o seu partido e o PMDB em Sergipe. “Não podemos ficar com aliados que nos traíram”, disse. Para ela, faltou empenho do governador Jackson Barreto (PMDB) na luta contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Da bancada de Sergipe, dois oito deputados federais, apenas dois (sendo um do PT) votaram contra a abertura do processo de impedimento de Dilma.

“No meu ponto de vista, já existe dificuldade nessa relação. É muito sério. Não podemos ficar com aliados que nos traíram. O governador Jackson Barreto foi o único governador que não conseguiu reverter nenhum voto. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) liderou a movimentação dos demais governadores do Nordeste em busca de mudanças dos votos dos deputados. O governador da Paraíba, que é do PSB, também atuou em favor da presidente, fora os governadores da Bahia, do Ceará e do Piauí, que dialogaram com as suas bancadas para defender a democracia. Não vi essa vontade política do governador Jackson Barreto. O comportamento dos outros mostrou que eles conseguiram reverter o voto. Jackson não reverteu nenhum voto”, disse.

Neste contexto, ela afirmou que a sua corrente dentro do PT, a Articulação de Esquerda, defenderá que o partido siga outro caminho no Estado diverso do que for tomado pelo PMDB. Ela se disse contrária a uma aliança entre PT e PMDB em apoio à pré-candidatura de Zezinho Sobral a prefeito de Aracaju. “A saída tem que ser discutida. Na minha opinião, é preciso amadurecer internamente, escutar todas as forças e buscar a melhor forma para fortalecer o nosso partido”, defendeu.

Impeachment

Para Ana Lúcia, ainda é possível mudar o quadro no Congresso, que atualmente é favorável ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Temos que brigar pela democracia, consolidar o mandato democrático eleito com 54 milhões de votos. Defendemos a manutenção de Dilma, tendo outro olhar e outro compromisso com a população. É possível virar este jogo, dependerá da pressão dos movimentos sociais e do povo. As forças políticas progressistas, os intelectuais, os artistas e a juventude lutarão para consolidar a democracia”, reforçou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247