'Aprovação da redução da maioridade penal foi golpe à Constituição'

A manobra feita pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para votar e aprovar novo texto da PEC que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos deixou o baiano Valmir Assunção (PT) "perplexo"; na noite desta quarta-feira, a Casa aprovou a proposta de emenda à constituição sem considerar o resultado anterior, quando a peça foi rejeitada, na terça; "Com esse novo texto, Cunha conseguiu reverter a derrota e aprovou a PEC com 323 votos a favor e 155 contra. Sem se importar com o regimento, ele colocou um texto alternativo para ser votado antes mesmo do texto principal. O que aconteceu na Câmara dos Deputados é um golpe à Constituição Federal e ao regimento da Casa"

A manobra feita pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para votar e aprovar novo texto da PEC que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos deixou o baiano Valmir Assunção (PT) "perplexo"; na noite desta quarta-feira, a Casa aprovou a proposta de emenda à constituição sem considerar o resultado anterior, quando a peça foi rejeitada, na terça; "Com esse novo texto, Cunha conseguiu reverter a derrota e aprovou a PEC com 323 votos a favor e 155 contra. Sem se importar com o regimento, ele colocou um texto alternativo para ser votado antes mesmo do texto principal. O que aconteceu na Câmara dos Deputados é um golpe à Constituição Federal e ao regimento da Casa"
A manobra feita pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, para votar e aprovar novo texto da PEC que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos deixou o baiano Valmir Assunção (PT) "perplexo"; na noite desta quarta-feira, a Casa aprovou a proposta de emenda à constituição sem considerar o resultado anterior, quando a peça foi rejeitada, na terça; "Com esse novo texto, Cunha conseguiu reverter a derrota e aprovou a PEC com 323 votos a favor e 155 contra. Sem se importar com o regimento, ele colocou um texto alternativo para ser votado antes mesmo do texto principal. O que aconteceu na Câmara dos Deputados é um golpe à Constituição Federal e ao regimento da Casa" (Foto: Romulo Faro)

Bahia 247 - A manobra feita pelo presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para votar e aprovar novo texto da PEC que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos deixou o baiano Valmir Assunção (PT) "perplexo". Na noite desta quarta-feira (1), a Casa aprovou a proposta de emenda à constituição sem considerar o resultado anterior, quando a peça foi rejeitada, na terça-feira (30).

"Com esse novo texto, Cunha conseguiu reverter a derrota e aprovou a PEC com 323 votos a favor e 155 contra. Sem se importar com o regimento, ele colocou um texto alternativo para ser votado antes mesmo do texto principal. O que aconteceu na Câmara dos Deputados é um golpe à Constituição Federal e ao regimento da Casa. Ele não poderia colocar para votar a mesma matéria que já foi derrotada", diz Valmir Assunção.

Para o petista, não se pode deixar que esse procedimento seja agora o padrão na Câmara.

"Uma matéria é derrotada e na madrugada arquiteta-se uma forma de votar a mesma matéria de novo e surpreendentemente alguns deputados mudam de opinião. O que é pior, a votação anterior foi acompanhada pela juventude que estava presente nas galerias e na frente do Congresso. Dessa vez, por determinação do presidente da Casa, a polícia fechou as portas e votaram a peça longe do povo, sem a presença da juventude e contra ela".

Com a aprovação, um jovem de 16 ou 17 anos acusado de tráfico de drogas será julgado como adulto mesmo depois da alteração da emenda que reduz a maioridade para 16 anos em crimes hediondos, homicídio doloso e lesão corporal seguida de morta.

"A mudança não vai resolver a questão da violência no Brasil. O governo fez de tudo para tentar negociar um texto para focar e alterar o Estatuto da Criança e do Adolescente [ECA], onde pudesse aumentar o tempo de internação dos jovens em conflito com a lei", afirma o deputado baiano.

Entenda o caso

Na terça-feira (30), o plenário da Câmara dos Deputados rejeitou o texto que saiu da Comissão Especial sobre a maioridade penal por uma diferença de 5 votos. O caminho natural após essa derrota seria votar o texto original da PEC, muito mais radical, que reduz a maioridade penal em todos os casos, e que certamente não seria aprovado pelos deputados.

Regimentalmente, essa emenda aglutinativa somente poderia ser votada após a votação do texto principal, desde que ele fosse aprovado. Seria possível votar a emenda antes do texto principal, mas deveria ter sido feito, antes da votação da terça-feira, um destaque de preferência para essa votação. Esse destaque, no entanto, não foi feito e Cunha decidiu colocar a peça em pauta.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247