Arthur Maia nega impedimento para relatar reforma da Previdência

Em resposta ao pedido de seu afastamento da relatoria da PEC da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, o baiano Athur Maia (PPS) diz que uma empresa na qual ele tem participação e tem dívida com o INSS "está em situação regular"; "Eu não administro essa empresa que eu tenho. Fui procurar saber, a empresa tem uma dívida regular com a Previdência Social, que vem sendo paga em dia, e a empresa está adimplente perante a Previdência", garante Maia; pedido de afastamento foi protocolado nesta quinta-feira pelo também baiano Robinson Almeida (PT)

Arthur Maia
Arthur Maia (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Débora Brito – repórter da Agência Brasil

Em resposta ao pedido de seu afastamento da relatoria da PEC (proposta de emenda à Constituição) da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, o baiano Athur Maia (PPS) diz que uma empresa na qual ele tem participação e tem dívida com o INSS "está em situação regular".

"Eu não administro essa empresa que eu tenho. Fui procurar saber, a empresa tem uma dívida regular com a Previdência Social, que vem sendo paga em dia, e a empresa está adimplente perante a Previdência", garante Maia. Ele diz que não sabe o valor atual da dívida.

Pedido de afastamento foi protocolado nesta quinta-feira pelo também baiano Robinson Almeida (PT). Ele argumentou à Corregedoria da Câmara que Maia tem impedimentos para ser titular da relatoria. Ele cita informação da empresa de Maia que está na lista de devedores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Para Almeida, a dívida – que seria de R$ 150 mil – inviabiliza a manutenção de Maia na condição de relator da reforma. "Entrei com a representação porque ele é um devedor da Previdência e não tem os requisitos da impessoalidade e da moralidade para relatar esta matéria", justificou Almeida.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247