As togas devem vestir a roupa da Constituição, diz ex-presidente da OAB

O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, saiu em defesa do cumprimento da Constituição em texto publicado nas redes sociais; "O meu partido é a Constituição e, por força dela, o Estado Democrático de Direito. Não posso negar a missão a me atribuída pelo art. 133, ainda que tal dever possa desagradar autoridades ou parecer impopular perante a opinião pública. Não se constrói a democracia com a prática de ilegalidade, mesmo quando ela ajude o querer de alguns. Não defendo o Estado Democrático de Direito pela metade ou apenas quando seus princípios me agradam", afirmou

O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, saiu em defesa do cumprimento da Constituição em texto publicado nas redes sociais; "O meu partido é a Constituição e, por força dela, o Estado Democrático de Direito. Não posso negar a missão a me atribuída pelo art. 133, ainda que tal dever possa desagradar autoridades ou parecer impopular perante a opinião pública. Não se constrói a democracia com a prática de ilegalidade, mesmo quando ela ajude o querer de alguns. Não defendo o Estado Democrático de Direito pela metade ou apenas quando seus princípios me agradam", afirmou
O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, saiu em defesa do cumprimento da Constituição em texto publicado nas redes sociais; "O meu partido é a Constituição e, por força dela, o Estado Democrático de Direito. Não posso negar a missão a me atribuída pelo art. 133, ainda que tal dever possa desagradar autoridades ou parecer impopular perante a opinião pública. Não se constrói a democracia com a prática de ilegalidade, mesmo quando ela ajude o querer de alguns. Não defendo o Estado Democrático de Direito pela metade ou apenas quando seus princípios me agradam", afirmou (Foto: Valter Lima)

247 - O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Cezar Britto, saiu em defesa do cumprimento da Constituição em texto publicado nas redes sociais. 

"O meu partido é a Constituição e, por força dela, o Estado Democrático de Direito. Não posso negar a missão a me atribuída pelo art. 133, ainda que tal dever possa desagradar autoridades ou parecer impopular perante a opinião pública. Não se constrói a democracia com a prática de ilegalidade, mesmo quando ela ajude o querer de alguns. Não defendo o Estado Democrático de Direito pela metade ou apenas quando seus princípios me agradam. As togas também devem vestir a roupa da Constituição", afirmou.

Abaixo o texto na íntegra:

Não irei tatuar em minha História ter colaborado com a ascensão do autoritarismo. Prefiro estar ao lado de Sobral Pinto, quando, enfrentando a ditadura Vargas, defendeu Prestes, ainda que discordando de seu partido e da sua ideologia. Defendia ele a Justiça.

O meu partido é a Constituição e, por força dela, o Estado Democrático de Direito. Não posso negar a missão a me atribuída pelo art. 133, ainda que tal dever possa desagradar autoridades ou parecer impopular perante a opinião pública.

Não se constrói a democracia com a prática de ilegalidade, mesmo quando ela ajude o querer de alguns. Não defendo o Estado Democrático de Direito pela metade ou apenas quando seus princípios me agradam. As togas também devem vestir a roupa da Constituição.

Rui Barbosa, acertadamente, lembrando François Guizot, advertiu que quando a política entra nos tribunais, a Justiça sai pelas portas do fundo. A sua lição continua atual, pois o Brasil não pode repetir o tenebroso 1964. Afinal, como disse Ulysses Guimarães, no histórico 05 de novembro de 1988, podemos discordar da Constituição, jamais rasgar o seu espírito.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247