Assassinos de Bárbara Quaresma são condenados

Conhecidos como “Terror” e “Waguinho”, eles tentaram assaltar a estudante em maio passado, matando-a depois. Vão pegar, respectivamente, 27 e 23 anos de prisão, em regime fechado

Assassinos de Bárbara Quaresma são condenados
Assassinos de Bárbara Quaresma são condenados (Foto: FOTO Douglas Magno / O Tempo)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Minas 247 - Os assassinos da estudante universitária Bárbara Quaresma Andrade Neves, morta em 23 de maio passado no bairro Cidade Nova, em Belo Horizonte, foram condenados pela Justiça. Thiago Henrique Fernandes dos Santos, de 21, o 'Terror'; e Wagner Henrique Soares da Conceição, de 20, o 'Waguinho'; foram sentenciados em 27 e 23 anos de prisão em regime fechado, respectivamente.

Leia a matéria de Luana Cruz, do jornal Estado de Minas:

Os assassinos da universitária Bárbara Quaresma Andrade Neves, de 22 anos, morta na noite de 23 de maio de 2012, em uma tentativa de assalto no Bairro Cidade Nova, Região Nordeste de Belo Horizonte, foram condenados pela Justiça. No fim do ano passado, Thiago Henrique Fernandes dos Santos, de 21, o 'Terror'; Wagner Henrique Soares da Conceição, de 20, o 'Waguinho'; foram sentenciados em 27 e 23 anos de prisão em regime fechado, respectivamente. A 11ª Vara Criminal de Belo Horizonte fixou pena por crime de latrocínio. 

Bárbara estava dentro de seu carro com o namorado, na porta da casa dele na rua Tabelião Ferreira de Carvalho, quando o casal foi abordado por dois homens. Um deles se assustou com uma movimentação do Fiat Uno da estudante de relações públicas e disparou contra a cabeça da jovem, que não resistiu aos ferimentos. Além de Thiago e Wagner, Rafael Fagundes da Silva, 18, o 'Graxinha', também participou do crime, mas não foi preso na época do assassinato. Thiago está condenado a quatro anos mais de prisão porque foi o atirador. 

Conforme informações do inquérito policial, os três estariam procurando um carro similar ao Fiat Uno. Ao rodar pela região, se depararam com uma situação de facilidade, quando viram um casal aparentemente sem defesa dentro do veículo. O fato de os dois estarem no Fiat Uno já eliminaria qualquer dificuldade, como a necessidade de uma ligação direta para roubarem o carro. A estudante não reagiu ao assalto, mas tirou o pé da embreagem bruscamente ao tentar entregar o carro, que se movimentou, causando a reação do atirador. 

Segundo o Fórum Lafayette, há um laudo anexado ao processo após a sentença. O documento é parte de um recurso da defesa, mas não altera a condenação proferida pela Justiça.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email