Assassinos de publicitário mexeram na cena do crime

A denúncia é do promotor Rogério Zagallo, que afirma que câmeras flagraram os agentes alterando o local do assassinato; Ricardo Prudente de Aquino morreu em 18 de julho

Assassinos de publicitário mexeram na cena do crime
Assassinos de publicitário mexeram na cena do crime (Foto: Edição/247)

247- Nesta sexta-feira, o Ministério Público de São Paulo informou que irá denunciar à Justiça os policiais militares Robson Tadeu do Nascimento Paulino, Luiz Gustavo Teixeira Garcia e Adriano Costa da Silva por homicídio doloso qualificado e fraude processual. Isso porque além de terem matado o publicitário Ricardo Prudente de Aquino, no último dia 18, os três policiais mexeram na cena do crime, segundo o promotor Rogério Leão Zagallo.

"Cenas gravadas por câmeras de segurança que estão com a Polícia Civil e que eu vi mostram os policiais militares recolhendo as cápsulas deflagradas. Isso é crime chamado fraude processual. Eles alteraram a cena do crime. Mexeram onde não devia", afirmou Zagallo, ao portal G1. O promotor disse, ainda, que os policiais devem responder pelo fato de terem supostamente colocado dentro do veículo de Aquino 50 g de maconha.

Segundo matéria do G1, o delegado Dejair Rodrigues, da 3ª Delegacia Seccional Oeste, informou que o inquérito relatado à Justiça inclui vídeos de câmeras de segurança que serão analisados pelo juiz do caso.

Ainda, de acordo com o portal, o advogado Aryldo de Oliveira de Paula, que representa os policiais presos, afirma desconhecer a existência do vídeo. "Se estão escondendo essas provas, é cerceamento de defesa. Fiquei na quinta-feira da reconstituição e saí de lá perto das 23h. Até esse horário não fui informado nem vi essas imagens", disse ao G1.

Na quinta-feira, Robson, Luiz e Adriano foram beneficiados por um habeas corpus em caráter liminar concedido pelo desembargador Willian Campos , do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247